Guerrero reencontra o Corinthians no Itaquerão numa condição diferente

Peruano perdeu o faro de gol no Flamengo e viu seu substituto, Love, tomar seu lugar no Parque, com 10 gols no Brasileirão

Robson Morelli

23 de outubro de 2015 | 14h17

Guerrero deixou saudades no Corinthians. Foi quem mais gols fez no Itaquerão, 15. O clube imaginou que não sobreviveria sem ele. Love ocupou seu lugar, mas no começo era quase um ‘ex-jogador’. Foi nessa condição que chegou da China. Dava dó ver Love naquele amistoso em que seu time fez com o Palmeiras no Allianz Parque. Depois de alguns meses, já no Parque São Jorge, esse cenário mudou. Guerrero se apequenou e Love ajuda o Corinthians a caminhar para seu sexto título nacional. Love tem 10 gols no Brasileirão, continua perdendo alguns na cara do gol, mas não passa mais rodadas seguidas sem balançar as redes. Em branco. É mais efetivo e perigoso do que o peruano nesse momento.

guerreroevelsondefreitaestadao_570

Guerrero tem três gols. O último que marcou pelo Flamengo foi dia 23 de agosto, contra o São Paulo. Saiu de combate por contusão, foi convocado para servir a seleção do seu país e ainda não se acertou desde sua volta. Nesse domingo, Guerrero volta para o Itaquerão. É muito provável que será vaiado toda vez que pegar na bola no Itaquerão. O corintiano não deverá levar em conta tudo o que o peruano fez para a equipe, como os dois gols da conquista do Mundial de Clubes da Fifa, em 2012. Agora ele é rubro-negro. E como tal, não serve mais. O próprio presidente do Corinthians, num rompante de torcedor, disse que vaiaria Guerrero o tempo no domingo. Roberto de Andrade não fará isso, mas podia ter evitado sua opinião sobre o assunto. Sobretudo porque ele melhor do que ninguém sabe que a saída do jogador do clube só ocorreu por questões financeiras.

A realidade do Corinthians agora é Love. Aos poucos, o ‘atacante do amor’ foi ganhando espaço com Tite e ajudou a torcida a esquecer seu melhor jogador.

Tudo o que sabemos sobre:

corinthians; Flamengo; futebol

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.