Há interessados dentro do Corinthians na saída de Fábio Carille

Robson Morelli

17 Maio 2018 | 18h18

O Al Hilal acaba de ser campeão saudita. O time da Arábia Saudita é grande, tem dinheiro e busca um treinador para substituir Ramon Díaz, que não vai ficar no clube porque acabou o seu contrato. O Al Hilal não está classificado na Copa da Ásia, portanto, não tem mais calendário nesta temporada, de modo a não precisar decidir o nome do seu novo treinador imediatamente. Há interessados dentro do Parque São Jorge que querem ver Carille fora. Há, como todos sabem, uma nova gestão no Parque São Jorge.

FOTO: JF DIORIO/ESTADÃO

Carille tem contrato com o Corinthians até final de 2019, com possibilidade de renovação por mais um ano. Ocorre que nem todos querem que ele fique, mas como trocar um treinador que caiu nas graças do torcedor e tem levado o time a títulos importantes, como o Brasileiro e o Estadual? Isso é um problema para a atual administração. Daí o vazamento da notícia sobre a oferta ao treinador corintiano.

O valor oferecido, com a conversão do dólar atual de R$ 3,70, bate na casa do R$ 1,2 milhão por mês. É dinheiro que não acaba mais para quem até outro dia era interino. O time saudita paga um valor cheio da moeda norte-americana por temporada. Treinadores mais experientes ganham muito mais do que isso. Acreditem! A oferta para Carille é altíssima para os padrões brasileiros, mas não é o limite do clube saudita. Longe disso. Então, se o Al Hilal quiser mesmo o técnico do Corinthians, ele poderá oferecer mais.

Mas tudo isso deve ser decidido com muita calma pelas partes envolvidas. Carille não precisa resolver sua vida imediatamente, na correria na oferta. Ele tem tem esse perfil pelo pouco que conversei com ele. Não se aceita mudar de país de uma hora para outra, sem consultar familiares, sem pensar direito. Carille tem uma carreira em construção. Talvez ele não queira largar isso por dinheiro nenhum do mundo nesse momento. Talvez não resista a tanta grana. No Corinthians, ele recebe R$ 300 mil por mês. Sua contratação está diretamente ligada à formação do novo time do Al Hilal. Há ainda uma desconfiança de que ele e o presidente Andrés Sanchez não se bicam. Esse fato, se confirmado, pode ser influente na decisão de Carille.

 

Mais conteúdo sobre:

carillefutebolCorinthians