Jean, que não deve mais jogar no São Paulo, expõe a bagunça que ocorre no clube nesta temporada

Jean, que não deve mais jogar no São Paulo, expõe a bagunça que ocorre no clube nesta temporada

Contratação do goleiro do Bahia por R$ 10 milhões foi mais um erro da diretoria: ele está afastado e não deve pedir para sair

Robson Morelli

20 de março de 2019 | 13h34

Nem mesmo a lei do silêncio e todos os treinamentos fechados que o time vem fazendo ao longo de meses são capazes de impedir as confusões sequenciais no São Paulo. O goleiro Jean tornou-se pivô de mais uma no clube ao ignorar a bronca do técnico interino Mancini e deixar a reunião antes do fim após a derrota para o Palmeiras sábado. O estrago foi gigantesco. Além de expor seu descontentamento público com o treinador, ele escancarou o clima no vestiário. Não vou entrar no mérito do certo ou errado ou do tratamento que o jogador vem recebendo do técnico tampão.

Mas é fato que o vestiário do São Paulo está um lixo. Podre. Os jogadores não se entendem, não jogam juntos e não aceitam os comandos do treinador. Mancini está virando piada. Não pode ser assim. Pior. A diretoria de futebol não está ajudando em nada. Precisa vir a público dar explicações. Falar grosso. A brica de Jean e Mancini deveria ser a gota d’água para alguma coisa mais séria acontecer no time agora. Ou a roupa deveria ter sido lavada lá dentro. Não foi.

Leco e Raí precisam ir atrás de Cuca já. O São Paulo não tem tempo para esperá-lo até abril. Jogadores precisam ser afastados dentro das leis trabalhistas. Mancini deve voltar para seu papel de gestor. Está escrito em sua cara que ele não quer fazer esse trabalho. Jean não deve mais vestir a camisa do clube. Raí precisa reassumir o comando. Ou dar o comando para alguém que queira tomar as decisões duras.O São Paulo perde dinheiro, respeito e prestígio com a crise que vive. Isso respinga até no patrocinador. O fogo está se alastrando. O São Paulo sangra. É preciso estancar isso, mesmo que para tanto Leco precisa recomeçar do zero. Paciência. Recomeça então.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.