Leandro Damião, do Inter, chega madura à Seleção Brasileira

Robson Morelli

23 de agosto de 2011 | 11h18

Uma coisa temos de reconhecer em Mano Menezes, a coragem e iniciativa de levar Leandro Damião para a Seleção Brasileira. Vá lá que ele não foi tão bem assim em suas participações em outras convocações. Era um atacante desconhecido do Internacional. Ele esteve no grupo nos amistosos do Brasil com Escócia, Holanda e Romênia. E agora voltará a vestir a camisa amarelinha dia 5, em Londres, diante de Gana.

Foi de Leandro Damião o gol mais bonito da rodada passada do Campeonato Brasileiro. Um gol de bicicleta contra o Flamengo. Ele já havia feito jogada de Ronaldinho Gaúcho ao dar passe para Índio também marcar o seu. Damião é um atacante que tem faro de gol, coisa rara nesse momento no futebol nacional. Já marcou mais  32 nesta temporada.

Ele faz gol de tudo quando é jeito.  Se o Inter estivesse numa fase melhor (é 7º colocado, com 27 pontos) e não trocasse tanto de técnico (Falcão foi um dos demitidos), Damião daria mais o que falar.

Entendo que ele chega à Seleção mais maduro do que da primeira vez, até com mais confiança também. Mano então precisa encontrar uma forma de deixá-lo jogar, explorar o que ele tem de melhor e fazer com que seu potencial apareça. Leandro Damião vai fazer sombra a muitos outros atacantes de nomes consagrados no time e pode ser o jogador que o Brasil precisa nesse momento para tirar a equipe da draga em que está.

Com 22 anos, Damião me lembra um pouco Van Basten, o holandês que fez história no Milan.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.