Love foi decisivo no acerto com o Palmeiras

Robson Morelli

28 de agosto de 2009 | 14h21

Havia 98% de Vágner Love não conseguir sua liberação para o Palmeiras. O blog ouviu no dia 17 de agosto pessoas ligadas ao jogador e nenhuma delas botava fé de que ele fosse dobrar os russos do CSKA. Com o apoio de Zico, o técnico do time, uma interferência direta da diretoria do Palmeiras, que até então havia deixado Love sozinho nessa empreitada, e um punhado de dólares, o negócio deu certo. O leitor deve tirar duas conclusões da trama.
1) Jogador quando quer deixar um clube não há Cristo que o segure.
2) A diretoria do Palmeiras mostra-se antenada e afiada na arte de negociar. Não é à toa que seu presidente, Luiz Gonzaga Belluzzo, é um dos enocomistas mais ouvidos do Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.