Luxemburgo pode ser o maior vencedor do Campeonato Paulista, com 9 conquistas

Ele já tem 8 títulos do Estadual, como Lula, quando esteve à frente do Santos, de Pelé

Robson Morelli

03 de agosto de 2020 | 07h00

Vanderlei Luxemburgo tem a chance de se tornar o treinador com mais conquistas no Paulistão caso seu Palmeiras ganhe do Corinthians na final do campeonato, marcada em duas partidas, a primeira delas nesta quarta-feira. Atualmente, ele está empatado com Lula, do Santos, ambos com 8 conquistas. Lula teve todas com o Santos, quando comandava Pelé e companhia. Em comum, ambos nunca foram bons jogadores, mas são treinadores renomados.

Luxemburgo ganhou 1 Paulistão pelo Bragantino e 1 pelo Corinthians. Dois no comando do Santos. E quatro à frente do Palmeiras. No tempo de Lula, um treinador ficava mais tempo num time só. Não precisava sair para ganhar mais dinheiro nem era demitido tão facilmente.

Faz 12 anos que o Palmeiras não ganha um Paulistão. O último foi em 2008, com Luxemburgo. É muito tempo para um time grande não festejar um Estadual. O São Paulo não vence desde 2005. Quem mais tem se dado bem nesse torneio é o Corinthians, que entra na briga com seu maior rival atrás do tetra. Ganhou nas últimas três edições e está com apetite para ganhar mais uma vez. O Palmeiras andou brigando com a Federação Paulista de Futebol e desdenhando a disputa, o que não quer dizer que não queria ganhá-la. Tem sofrido nas mãos do Corinthians.

Não será fácil Luxemburgo assumir essa corrida no Estadual. Ele precisa de uma conquista e fará de tudo para obtê-la. Isso lhe dará mais segurança depois de um trabalho apenas mediano no Vasco. Luxemburgo precisa fazer as pazes com as conquistas depois de anos sem emprego e trabalhos contestados. O Palmeiras tem um elenco melhor, mas não tem levado sorte contra o Corinthians. Tiago Nunes manteve a pegada de um time pragmático e eficiente. O Palmeiras é mais do que isso, mas não muito mais. Já foi bem superior ao rival da final, mas essa diferença encurtou.

Luxemburgo sabe que não pode subestimar o Corinthians em qualquer situação. O Palmeiras tem a vantagem de fazer o segundo jogo em sua casa, mas não terá torcida, apenas o gramado conhecido. Não deixa de ser uma vantagem. Deve treinar no estádio esta semana para melhor ensinar o que quer no jogo, posicionamento sobretudo. Luxemburgo sempre inventa alguma coisa em decisões, ou inventava. Lula dava a camisa 10 para Pelé e esperava bons resultados. Mas sabia trabalhar. Era muto bom no que fazia. Eram outros tempos.

O Paulistão tem a final que desejava, com dois rivais importantes e consagrados. Foi um Estadual atípico pela parada por causa da pandemia. Também, mais uma vez, não foi de encher os olhos. Esse é o maior problemas dos regionais. Eles não comovem mais o torcedor, que prefere outras competições. Há poucos jogos interessantes. Há poucos jogadores interessantes nesta etapa do ano. O nível técnico é baixo. Há apenas transpiração e sonhos, e muita boa vontade com a competição.

PAULISTÃO DE LUXEMBURGO

Bragantino – 1990

Palmeiras – 1993, 1994, 1996 e 2008

Corinthians – 2001

Santos – 2006 e 2007

 

PAULISTÃO DE LULA

Santos – 1955, 1956, 1958, 1960, 1961, 1962, 1964 e 1965

Tudo o que sabemos sobre:

futebolPaulistãoLuxemburgopalmeiras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.