Mais uma vez Neymar precisa ser o ‘cara’ do PSG na Liga dos Campeões

Time francês recebe o Leipzig pela fase de grupos da competição em situação desconfortável: ocupa a terceira colocação da chave após três partidas

Robson Morelli

24 de novembro de 2020 | 09h24

Neymar caiu de produção e precisa recuperar seu bom futebol. Tanto na seleção brasileira quanto no PSG, sua ausência foi sentida. Ele se machucou e ficou um tempo afastado. Tentou ser usado na seleção, mas não deu certo depois de viajar para o Brasil, se juntar ao elenco na Granja Comary e ser cortado. A expectativa era que enfrentasse o Uruguai. Não deu. No PSG, ele também fez falta. Na Liga dos Campeões, o time francês precisa dele, mais até do que de Mbappé, outra estrela da companhia. O atacante campeão do mundo em 2018 tem muito peso na armação do PSG, mas é de Neymar que se espera mais. O brasileiro é referência da equipe. É o diferente. E precisa jogar como tal.

O PSG foi vice-campeão na temporada passada da Liga dos Campeões, perdendo para o Bayern de Munique por 1 a 0. O time e seus gestores gostaram tanto de chegar à decisão que se animaram com a possibilidade do passo a mais dado nela, com entusiasmo para repetir a façanha nesta edição. Por enquanto, a promessa não se concretizou. O PSG corre risco de ser eliminado na fase de grupos da competição, o que seria trágico para suas pretensões de se colocar entre os maiores da Europa.

Para Neymar seria mais uma vez um fracasso coletivo e pessoal, como muitos que ele coleciona na seleção e na Liga dos Campeões também, desde que se transferiu para o PSG. Por isso sua presença é fundamental contra o Leipzig. Ele deixou de ser o menino fanfarrão durante a pandemia. Suas graças nas redes sociais têm sido mais contidas. Vale lembrar que Neymar fracassou em duas Copa dos Mundo e ainda não conseguiu levar o PSG a voos altos só permitidos aos vencedores. Catar 2022 está se aproximando e a Liga dos Campeões já é para agora.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolNeymarPSFTiteLiga dos Campeões

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.