Ministério Público quer tirar a PM dos estádios. Perfeito

Clubes devem assumir essa organização e investir em segurança privada

Robson Morelli

28 de agosto de 2014 | 18h41

O Ministério Público está disposto a colocar a Polícia  Militar para fora dos estádios de futebol, primeiramente em São Paulo, depois no resto do Brasil.  A intenção vai dar o que falar e merece discussão. A PM hoje é requisitada em todas as partidas, em força maior nos jogos em que sua inteligência aponta como de risco de confronto entre os torcedores. A PM está nos estádios para impedir a briga dos ‘organizados’, e evitar que essa gente se mate.

São sempre os primeiros a chegar e os últimos a sair. Portanto, trabalham pra valer. Vez ou outra também são requisitados para servir de babá para os marmanjos que vão a pé de suas sedes aos estádios, cheios de confiança e de peito aberto. Tenho até dúvidas se a PM deveria fazer essa escolta… mas como isso é na rua, pode até ser que deva mesmo.

O fato é que a conta da segurança nas partes internas da arenas de futebol têm de ser dos clubes, quando muito das instituições, como Federação Paulista e CBF. Ainda acho que os times são os mais indicados a bancar o serviço com a contratação de profissionais qualificados, uma empresa de segurança, por exemplo. Mas como esses seguranças vão confrontar os briguentos das torcidas organizadas? Se os caras não respeitam nem os PM, certamente vão atropelar os particulares. Essa é outra discussão. Qual será o poder de ‘combate’ dos seguranças privados?

Há ainda a discussão se esses seguranças deveriam usar armas de fogo, mas esse também é outro assunto. Hoje, o 2º Batalhão de Choque da PM, formado por policiais preparados e quase sempre truculentos como a situação manda, é quem faz esses trabalho.  Em algumas ocasiões, há mais de 700 homens envolvidos numa partida. Se o clube mandante tiver de pagar por isso, vai gastar boa parte do dinheiro das bilheterias poorr mês, numa base de quatro partidas em casa. Mas qual dono da festa não tem de pagar suas contas? Qualquer outra atividade privada, com venda de ingresso, como um show, gasta com essa organização. Por que os clubes são beneficiados com isso, uma vez que ganham milhões de reais anualmente com seu negócio?

Portanto, sou da opinião de que não deveria ter mais torcedores organizados. E que os policiais devam mesmo sair dos estádios e zelar pela segurança da sociedade em outras praças.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.