Nada consta

Robson Morelli

29 de maio de 2011 | 21h33

Jérome Valcke, secretário geral da Fifa, deixou claro: Ricardo Teixeira, presidente da CBF e todo-poderoso da Copa do Mundo de 2014, não está metido em nenhuma falcatrua de venda ou compra de votos para a escolha de sedes dos Mundiais. Nesta quarta-feira, Joseph Blatter tenta se reeleger para seu quarto mandato à frente da entidade. Ele vai ganhar, com certeza. Blatter está há 13 anos no cargo. E ficará mais quatro.

Também foi abafado o envolvimento do dirigente brasileiro em atos ilícitos do passado. Simples assim. Dessa forma, Ricardo Teixeira terá tranquilidade para organizar a Copa. Nesta semana, ele deverá ter um encontro com a presidente Dilma Rousseff para, além de ganhar apoio político, saber como o governo pode acelerar as obras estruturais das cidades-sedes e dos aeroportos do Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.