Não se deve duvidar nunca de Cristiano Ronaldo tampouco de Lionel Messi

Não se deve duvidar nunca de Cristiano Ronaldo tampouco de Lionel Messi

Neymar terá de esperar um pouco mais para entrar nessa briga e herdar o trono na Europa

Robson Morelli

19 de abril de 2017 | 10h50

Mesmo a despeito do gol impedido de Cristiano Ronaldo contra o Bayern de Munique, não se deve duvidar do atacante do Real Madrid. Nunca. CR7 é uma máquina de jogar futebol, de fazer gols e de levantar a torcida. Na classificação do time espanhol contra o alemão, pela Liga dos Campeões, o português só não fez chover no Santiago Bernabeu. Cristiano Ronaldo, tivesse nascido no Brasil, seria titular absoluto da seleção por uma década, embora tenhamos o péssimo hábito de encurtar as carreiras de bons jogadores no time nacional. Bastou uma falha ou uma fase ruim para o torcedor brasileiro condenar o dito cujo. Portugal tem em CR7 seu melhor jogador há anos, e ainda terá na Copa da Rússia, caso sua seleção se classifique.

Football Soccer - Real Madrid v Bayern Munich - UEFA Champions League Quarter Final Second Leg - Estadio Santiago Bernabeu, Madrid, Spain - 18/4/17 Real Madrid's Cristiano Ronaldo celebrates scoring their third goal to complete his hat trick Reuters / Sergio Perez Livepic

Estadio Santiago Bernabeu: Cristiano Ronaldo festeja gol contra o Bayern / Sergio Perez Livepic

Um dos três gols que ele fez na vitória de 4 a 2 sobre o Bayern estava em posição de impedimento. O gol deveria ter sido anulado. Fez outros dois e assegurou mais uma vez o time madrilenho na semifinal da Liga dos Campeões. O Real Madrid caminha para destronar o Barcelona e todos os outros da Europa. Pode ganhar na Espanha e na Liga dos Campeões. Quando o Bayern fez 2 a 0 e levou a partida para a prorrogação, era para CR7 que a torcida no Bernabeu olhava. Somente ele poderia resolver a parada. E assim foi, claro, com a ajuda dos companheiros, como Marcelo, que poderia marcar o terceiro, mas preferiu fazer o passe açucarado para o atacante português.

Da mesma forma, digo, de antemão, que não se pode duvidar de Messi em nenhum momento, mesmo numa encruzilhada como a de hoje na partida do Barcelona contra a Juventus. O time catalão perdeu por 3 a 0 no confronto de ida. Precisa, portanto, devolver o placar em casa para levar a disputa à prorrogação. O Barcelona já fez dessas contra o PSG, quando Neymar comeu a bola, e Messi também, na vitória por 6 a 1 na fase anterior. O que se pede agora é outro milagre, de menos gols, mas outro milagre. Messi sabe disso. Neymar e Suárez, e todos os outros, são importantíssimos, mas é de Messi que se espera a virada, a bola trabalhada, a magia e a mágica para reverter esse marcador e obter a vaga.

Não duvidem de Messi. O único senão nesse episódio é que os italianos não são os franceses, e a Juventus não é o PSG. E isso tem peso no cenário. Os italianos sabem se defender como ninguém. É uma escola de defesa no futebol. Aprenderam a atacar com a ginga de alguns jogadores sul-americanos, como Cuadrado, de modo a fazer da missão de Messi e do Barcelona algo muito mais difícil e também muito mais valorizado se acontecer.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.