Neymar completa 29 anos mais perto do fim da carreira do que do começo e ainda com sua obra inacabada

Neymar completa 29 anos mais perto do fim da carreira do que do começo e ainda com sua obra inacabada

Dos desafios que se colocou na carreira, atacante do PSG ainda não ganhou a Liga dos Campeões nem uma Copa do Mundo, tampouco foi eleito o melhor de todos

Robson Morelli

05 de fevereiro de 2021 | 11h08

Neymar completa nesta sexta-feira 29 anos. Há tempos deixou de ser um menino apesar do jeito franzino e da vida moleque. Para um jogador de futebol, que desponta aos 17 ou 18 anos, ele está mais perto do fim de sua carreira do que do começo. Jogaria mais dez anos, até os 39? Pode ser. Tem físico para isso e bola também. Neymar é um jogador realizado, rico e que cresceu mais do que qualquer um imaginava quando atuava em Santos. É um vencedor.

Foto. AFP

Atuou ao lado de grandes jogadores de igual para igual, como Messi, por exemplo. Olhou nos olhos de cada um deles na mesma altura. Explodiu no Santos e no Barcelona. E agora no PSG, seus três únicos clubes. Se colocou entre os melhores do mundo, bem perto do próprio Messi e de Cristiano Ronaldo. Tem o respeito dos dois e de muitos outros quando joga bem e faz o que nasceu para fazer, jogar futebol.

Do ponto de vista pessoal, Neymar construiu um patrimônio para gerações, ajuda os amigos mais próximos, não falta nada aos pais e tem um instituto que trabalha com crianças. Sua voz abre portas. Tem um filho que ama pelas fotos e posts das redes sociais. E uma família bastante presente na sua vida. Ainda busca o amor verdadeiro. Messi e CR7 já são casados. E mais velhos também. Tem tempo para isso.

Entre os amigos, faz muitas coisas questionáveis, como as festas fora de época e essa necessidade de se divertir em público, em eventos grandiosos. Não basta fazer, tem de mostrar que fez. É criticado por isso. Disse recentemente que sabe se comportar na pandemia, tem noção de tudo e não vai parar. É uma proposta de vida.

No PSG, acalmou-se depois de entender que o time quer ser maior do que todos na Europa. Veio por um necessidade pessoal, de sair da sombra de Messi e usar a camisa 10, ser o dono do time. Bateu no segundo lugar da Liga dos Campeões quando se propôs a jogar e a se doar mais. Não pensa em deixar o Paris. Não se vê em outro lugar, pelo menos por ora. Neste mês, vai tentar fazer com que o PSG passe por cima do Barcelona na competição europeia. Foi amado, odiado e amado novamente pela torcida do PSG. Já entrou em muitas confusões e não há certeza de que não vai continuar entrando nas frias.

Olhando para frente, vai continuar se comunicando com multidões nas redes sociais. Faz moda entre os mais novos, como o ‘pai está on’. Há uma indústria por trás dele, que atua 24 horas por dia. Neymar está em todos os continentes. Em campo, no entanto, sua obra não está acabada. E não tem a menor certeza de que estará um dia. Nunca foi escolhido o melhor do mundo. E já está na Europa desde 2013. Nunca ganhou uma Copa do Mundo. E já disputou duas. Nunca teve o carinho dos brasileiros como outros tantos craques que venceram na Europa.

Seu legado, para a seleção, nem por isso é desprezível. Com Neymar no time, o Brasil ganhou o ouro olímpico no Rio, em 2016. Isso não é pouco. A CBF persegue essa conquista desde sempre. Neymar tem sonhos e desafios. Pelo que já mostrou, pode conseguir realizar todos eles. Depende mais do seu esforço do que que qualquer outra coisa. Tem muita lenha ainda para queimar no futebol. Com a iminente aposentadoria de Messi e CR7, pode assumir um posto que nunca teve no futebol mundial. A ver.

NÚMEROS DE NEYMAR

CLUBES
Santos – 2009 – 2013
Barcelona – 2013 – 2017
PSG – 2017 – atual

VALOR DE MERCADO
128 milhões de euro – R$ 835 milhões

GOLS
388

Fontes: Goal/Transfermarkt

Tudo o que sabemos sobre:

futebolNeymarPSGBarcelonaSantos FC

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.