Neymar marca duas vezes de pênalti e chega à marca de 73 gols na seleção, faltando cinco para superar Pelé, com 77

Atacante do PSG tem tempo, aos 30 anos, para superar o Rei do Futebol e deixar seu nome como o principal marcador do País no time nacional: CBF vai marcar novos amistosos e ainda há a Copa do Mundo no fim do ano

Robson Morelli

02 de junho de 2022 | 09h25

Neymar se aproximou um pouco mais de Pelé na quantidade de gols marcados pela seleção brasileira em partidas oficiais. Agora, o atacante do PSG tem 73 tentos contra 77 do Rei do Futebol, que tem 81 anos. Neymar fez dois mais de pênalti no amistoso com a Coreia do Sul nesta quinta-feira. Ele já era o segundo maior artilheiro do Brasil. É bem provável que o jogador iguale ou até supere Pelé nesta temporada, com mais amistosos e a Copa do Mundo do Catar, marcada para começar em novembro. Na segunda-feira, o Brasil encara o Japão.

Seus números em Mundiais são bons. Na verdade, na Copa do Brasil, em 2014, a primeira em sua carreira, Neymar marcou quatro gols. Ele fez cinco partidas apenas. Se machucou no jogo contra a Colômbia, em Fortaleza, e não atuou diante dos alemães na semifinal nem na disputa do terceiro lugar com a Holanda. O Brasil perdeu as duas partidas. Na Rússia, quatro anos mais tarde, mais maduro e já sentindo o dissabor de fracassar em um Mundial, ele balançou a rede apenas duas vezes. Em 2018, a seleção de Tite, que tinha Neymar como principal jogador, parou diante da Bélgica: derrota de 2 a 1 e volta para casa mais cedo.

CBF

Tite foi mantido no posto após o Mundial russo e agora terá nova chance de se dar bem, e no ano em que o torcedor brasileiro vai comemorar os 20 anos da conquista do penta, na edição da Coreia do Sul e do Japão, sob o comando de Felipão, e que tinha cinco jogadores acima da média: Ronaldo, Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho, Cafu e Roberto Carlos.

No Catar, Neymar continua sendo a única estrela da companhia, embora o elenco seja renomado e de boa qualidade. A lista de Tite ainda não está fechada, mas não há dúvidas de que Neymar estará nela. Só não vai para o Catar se não quiser ou se sofrer alguma contusão mais séria, a ponto de não ter tempo para se recuperar. Em 2002, Ronaldo também estava machucado e fez um tratamento antes e durante a competição. Marcou dois gols na final contra a Alemanha e foi campeão.

Neymar já disse que a Copa do Mundo do Catar poderia ser sua última. Se isso acontecer, ele daria adeus à seleção. Daí a marca seria importante para ele neste ano, aos 30 anos. Pelé se despediu da seleção brasileira após a Copa do Mundo do México (1970). Foi em 1971, aos 31 anos. Não quis mais. Ele poderia jogar no Mundial de 1974. Neymar, se parar, vai querer bater a marca do Rei. Faltam cinco gols para isso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.