Neymar precisa ter novos objetivos no Barcelona e na seleção

Neymar precisa ter novos objetivos no Barcelona e na seleção

Apesar da temporada, o craque brasileiro está atrás de Messi e Cristiano Ronaldo em prestígio e feitos na Europa

Robson Morelli

08 de junho de 2015 | 10h58

Após a conquista da Liga dos Campeões com o Barcelona, sábado, e do gol na final em Berlim, contra a Juventus, Neymar precisa pensar em novos desafios na carreira. Dinheiro, fama, namoradas, nada disso vale para o seu crescimento na Europa. E tudo isso ele já tem não é de hoje. Neymar tem a dura missão de superar Messi e Cristiano Ronaldo em números, conquistas, glórias e carinho do torcedor. O resto vem junto. Essa é a proposta.

NeymarBarcelona2015AP_570

Neymar ganhou tudo na Espanha nesta temporada, abocanhou a Liga dos Campeões com participação em gol e gol na final. Não é pouco. Com a camisa do Barcelona, precisa ser mais do que é. Precisa ‘carregar’ o time mesmo sem Messi ou mesmo com Messi em campo. Precisa ganhar abraços. Parece que o problema com Luis Enrique ficou para trás. Tem de manter a forma física, a alegria e a objetividade acima de tudo. Fazer gols é seu caminho, mas não o único. Tem de continuar beijando taças e fazendo jogadas de parar o trânsito, como a do gol de Messi diante do Bilbao. Esse é o caminho mais curto para ser reverenciado. O torcedor de futebol em qualquer lugar do mundo adora boas jogadas, jogadas bonitas, com direção ao gol. Firulas são legais sem abusar delas. Refiro-me à carretilha que tentou contra o mesmo Bilbao. Era o caminho encontrado por Neymar entre a marcação e o gol. Não vi como falta de respeito. Quem conhece Neymar sabe que ele é assim. Poderia ter evitado? Sim.

Neymar também tem outro fardo para carregar, o da seleção brasileira. Digo fardo porque o brasão do Brasil é pesado e a pressão é enorme. Neymar é o mais carismático do grupo de Dunga, talvez o único de um elenco que, a meu ver, piorou em relação à equipe de Felipão na Copa. Os jogadores têm menos peso, apesar das nove vitórias seguidas. Neymar terá de carregar essa seleção e ganhar títulos com ela, até para não ficar marcado como um jogador que não ganha com o time nacional. Neymar perdeu o ouro Olímpico em Londres 2012 e a Copa do Mundo em casa, apesar da contusão contra a Colômbia e, por isso, ter ficado fora da partida contra a Alemanha. Ele sabe que o primeiro desafio é a Copa América do Chile. Para ele e também para o Brasil, que não tem a confiança do torcedor nem o entusiamo do passado.

Neymar precisa traçar objetivos para as temporadas 2015/16 na Europa e quem sabe ser eleito brevemente o melhor jogador do mundo. Messi e Cristiano Ronaldo ainda estão na sua frente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.