Ninguém está seguro nem morto. Mas…

Robson Morelli

20 de agosto de 2009 | 11h58

O bom desse Brasileiro de pontos corridos e de equipes medianas é que não se pode cantar vitória ou derrota antes do prazo. Veja o Corinthians. De quase entregue e indiferente à competição, ressurge falando de G-4, logo, logo de título. Pega o exemplo do São Paulo. Do zunzunzum de rebaixamento para o pelotão de elite da disputa, sólido como sempre foi. O Galo Mineiro (com o perdão do trocadilho) que bicava todo mundo, anda se penando para voltar a figurar na parte de cima da tabela.

Hoje, os quatro primeiros do Brasileirão são:
1 – Palmeiras, com 37 pontos (20 jogos)
2 – São Paulo, com 36 pontos (20 jogos)
3 – Goiás, com 35 pontos (19 jogos)
4 – Inter, com 33 pontos (18 jogos)

E os quatro últimos:
17 – Botafogo, com 20 pontos (19 jogos)
18 – Náutico, com 18 pontos (19 jogos)
19 – Fluminense, com 15 pontos (20 jogos)
20 – Sport, com 13 pontos (20 jogos)

Dois Estados figuram na lista dos candidatos ao rebaixamento. Náutico e Sport representam Pernambuco. E Flu e Botafogo, o Rio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.