Nunca ganhar um campeonato se tornou tão importante no Brasil como agora

Campeões da temporada vão colocar mais dinheiro no bolso e assim poderão recuperar perdas financeiras importantes por causa da paralisação do futebol

Robson Morelli

22 de abril de 2020 | 09h00

A ansiedade é gigantesca para que o futebol seja retomado de onde parou. A ansiedade de clubes e Federações, patrocinadores e parceiros não tem tamanho. Não há data definida, mas todos trabalham nos bastidores olhando com carinho para o segundo semestre de maio. As pessoas ainda são infectadas e mortas pela covid-19. Ninguém está seguro e as UTIs dos hospitais começam a operar perto de suas capacidades máximas. Mesmo assim, há uma grande preocupação com a economia do Brasil. Todos estão perdendo dinheiro no futebol, de jogadores a patrocinadores, passando pelos clubes nas categorias masculina e feminina. Assim, nunca foi tão importante ganhar um campeonato nesta temporada. Ficar com o troféu significa ganhar mais dinheiro. Ganhar mais dinheiro significa honrar compromissos e recuperar perdas importantes nesse período de paralisação do futebol.

Ocorre que somente um time é campeão por torneio. E esse se dará melhor do que os outros. Por exemplo, quem ganhar o Paulistão 2020, parado na 10ª rodada da fase de classificação, vai colocar as mãos em premiação de R$ 5 milhões. São R$ 5 milhões que entram nas contas do campeão. Para se ter uma ideia de comparação, o vice Paulista leva para casa R$ 1,6 milhão, uma renda em jogo de casa cheia. Portanto, ganhar o Estadual é o primeiro bom negócio para os clubes.

O Paulistão é dinheiro pequeno perto da premiação da Copa do Brasil. O vencedor da disputa levará para casa R$ 54 milhões. Se para os times grandes esse dinheiro já é bom, imagina para os clubes médios e pequenos. Todo mundo vai jogar muito para ficar com a taça. Ano passado ela ficou com o Atlhetico-PR. Esse valor é R$ 2 milhões a mais do que foi pago na temporada de 2019. Com as cotas de participação no torneio mata-mata, o campeão da Copa do Brasil vai levar ao todo prêmio na casa dos R$ 72 milhões. E como esse dinheiro é importante neste momento!

Há ainda a Libertadores, vencida pelo Flamengo no ano passado. O campeão põe as mãos em US$ 15 milhões. Com o dólar nas alturas, a premiação pode bater na casa dos R$ 80 milhões. Contando as cotas pagas pelo Conmebol para quem avança de fase, o vencedor de 2020 tem chance de lucrar até US$ 22,5 milhões (R$ 120 milhões). São US$ 3 milhões a mais do que no ano passado. Vale lembrar que a Connmebol adiantou cotas para os clubes participantes da disputa.

Imagina então se um time brasileiro ganhar a Copa do Brasil e a Libertadores! Vai receber algo perto dos R$ 200 milhões. Não tenho dúvidas de que a rivalidade vai acirrar quando a bola voltar a rolar.

Por fim, mas não menos importante, há a premiação do Brasileirão, que em 2019 ficou na casa dos R$ 33 milhões dados ao Flamengo. Este ano, estima-se que a premiação chegue a R$ 31 milhões. O cálculo da premiação no Brasileirão obedece alguns requisitos, como a classificação final. Nesse caso, há um problema. A Turner abriu negociação com os oito clubes com quem tem contrato para encerrar a parceria de transmissão dos jogos na TV. Entre os times estão Palmeiras, Santos e Fortaleza. O segundo colocado do Nacional vai receber R$ 30 milhões. E o terceiro, R$ 28 milhões. A disputa neste ano vai ser pela sobrevivência. O campeão vai se dar bem. Os restantes vão ter mais apuros financeiros.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.