O Corinthians amadureceu

Robson Morelli

06 de dezembro de 2011 | 00h17

Também gostaria de homenagear aqui o Doutor Sócrates, um dos jogadores mais elegantes que vi jogar. Morreu cedo e tomara que seus exemplos e vícios sirvam para melhorar a vida das pessoas, preocupado que sempre foi com os descamisados e maltratados.

No Pacaembu, o Corinthians fez o que se esperava dele. Jogou com maturidade, não se desesperou, deixou o tempo e a gana do Palmeiras passarem sem se incomodar com a torcida, aflita na arquibancada por um gol. É claro que agora, depois de levar o título para casa, é bem mais fácil analisar.

Mas essa maturidade nunca vi no Corinthians, um time sempre empurrado por sua torcida ou pela qualidade de seus jogadores. Dessa forma, com a cabeça no lugar e sem viver a ansiedade de outros tempos, o Corinthians, sob o comando de Tite, pavimenta um caminho mas tranquilo na Libertadores. Pode dar certo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.