O Corinthians tem bom time e bons rivais

Robson Morelli

11 de janeiro de 2010 | 13h01

Não gosto de ser estraga festa, mas o corintiano precisa deixar a euforia de lado com as contratações de 2010, principalmente a de Roberto Carlos, e encarar a temporada com seriedade. Não digo isso para o time nem para Mano Menezes. Digo para o torcedor, que desde a metade de 2009 faz planos para o sucesso da equipe em seu centenário. Calma lá, gente!
O grupo tem peças interessantes, é verdade, mas Mano precisa fazer sua `máquina` funcionar. O bom foi manter a base. A defesa é sólida com Chicão e William e agora tem a possibilidade de reforço em determinadas partidas, sobretudo em jogos fora de casa na Libertadores.
Roberto Carlos aprendeu a marcar. Acho que ele chega para jogar de cara, sem precisar de tempo de adaptação. O meio com Elias, Marcelo Mattos e Jucilei está bem servido, assim como o ataque com Ronaldo, Dentinho e Iarley. O setor de armação é o grande desafio de Mano. Tem Tcheco, Defederico, Jorge Henrique, Danilo. É o setor que fará o Corinthians caminhar, bem ou mal.
O time é bom, mas (sempre tem um mas no futebol) a concorrência na Libertadores também é de respeito, principalmente de rivais brasileiros. Tem São Paulo, Flamengo e Cruzeiro, todas equipes da mesma qualidade do Corinthians. Há ainda a pressão de ter de ganhar a Libertadores em ano de festa. O torcedor, ao menos com quem tenho conversado, não admite outro resultado. Mano e o elenco sabem disso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: