O fracasso de Pato é o fracasso do Corinthians pós-Mundial

Robson Morelli

24 de outubro de 2013 | 17h53

O pênalti com cavadinha desperdiçado por Alexandre Pato simboliza o fracasso do Corinthians pós-Mundial de Clubes da Fifa. O atacante é a cara desse Corinthians depois de sentir o doce sabor do Olímpo. Brincava com alguns amigos que o único caminho para um time que chega tão alto era a queda, um caminho para baixo. Não havia mais nada para cima que o corintiano pudesse almejar. Só não imaginava que fosse uma queda tão rápida.

Alguns erros podem explicar tamanha diminuição de rendimento e frustração das pessoas do Parque São Jorge. Tentarei enumerar aqui o que já ouvi de gente ligadas ao Corinthians, de especialistas e das manifestações públicas dos próprios jogadores e do técnico Tite:

1 – O elenco se desgastou depois do Mundial e alguns jogadores começaram a se ‘arrastar’ em campo.

2 – Tite não pediu novas contratações para revigorar o grupo.

3 – Algumas peças fracassaram mesmo, como o atacante Pato.

4 – Jogadores importantes que poderiam mudar o cenário se machucaram, a exemplo de Renato Augusto.

5 – É inegável que Tite ajudou a conturbar o ambiente ao não definir seus 11. Jogador nenhum gosta disso. Emerson mesmo atirou a toalha por ficar no banco mais dos que esperava. Quis sair.

6 – A crise começou dentro de campo pela fraca atuação dos jogadores. Esse incêndio deveria ser apagado pelo treinador no começo. Depois, Tite já não tinha mais como agir de bombeiro.

7 – O time também não tinha um líder dentro de campo. Talvez esse cara fosse Paulinho, que deixou o grupo. A própria saída do volante abriu um buraco no meio de campo do Corinthians que jamais foi tampado.

Esse fracasso ronda todo time brasileiro que chega ao Mundial, que ganha uma Libertadores e entende depois que não há mais nada a ser feito. A torcida, sempre atrás de títulos e de bom futebol, já não tem mais paciência com essa equipe. Protesta.

Tudo o que sabemos sobre:

corinthians; brasileirão; tite

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.