O Palmeiras não tem o direito de pedir dinheiro ao seu torcedor

Robson Morelli

26 de fevereiro de 2012 | 23h09

Ainda não entendi por que o Palmeiras precisa arrecadar R$ 21 milhões para comprar Wesley, que está sendo vendido por R$ 13 milhões. A diferença e enorme. O presidente Arnaldo Tirone comentou qualquer coisa sobre impostos da transação. Mas a conta não bate.

O clube, sem dinheiro, resolveu fazer um Disque Wesley, a exemplo do que alguns já fizeram no futebol paulista. Acho que o primeiro a usar essa estratégia foi a Federação Paulista de Futebol para recolocar Marcelinho Carioca em algum time. Isso foi lá atrás.

O Palmeiras resolveu adotar o procedimento. Pede dinheiro para o torcedor a fim de conseguir bancar Wesley. Até a noite de domingo, já havia quase R$ 100 mil de doações. Particularmente, acho uma aberração envolver o torcedor nesses negócios do clube. Experimenta, você torcedor do Palmeiras, entrar no estádio sem ingresso num jogo em que o time é mandante. Não consegue.

Os clubes, de modo geral, tratam mal seu torcedor. Não têm o direito de pedir nada a ele, portanto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.