O Santos está quase lá. O São Paulo virou franco atirador

Robson Morelli

12 de abril de 2010 | 13h43

O São Paulo não está morto, mas está quase. O gol sofrido no finalzinho do confronto com o Santos reduziu bem as chances de o time do Morumbi ir à final do Campeonato Paulista. O Santos, depois do sufoco e do susto no segundo tempo, quando viu o rival empatar em 2 a 2 numa reação que só comprova o jogão que foi, aumentou sua vantagem que era de empate. Agora, na Vila, domingo, a melhor equipe do campeonato pode até perder por um gol que garante passagem para a decisão, muito provavelmente diante do Santo André, que também venceu seu desafio contra o Grêmio Prudente ( 2 a 1). Os visitantes destas semifinais se deram bem, venceram e aumentaram suas boas vantagens.
No jogo do Morumbi, é preciso comentar duas coisas. A primeira é a maioridade conquistada pelos meninos de Dorival Júnior. Claro. Porque o teste era de fogo. Era fogo contra fogo. Era a primeira decisão deste time badalado e de alguns poucos experientes apenas. O Peixe fez dois gols e diminuiu a pressão, já que o São Paulo sempre foi perigoso. Ainda do Santos é preciso cobrar o salto alto com que os meninos entraram para o segundo tempo, já cantando vitória. Erro infantil.
Contra o São Paulo numa decisão, equipe nenhuma do mundo pode cantar vitória antes do tempo. Jamais. O susto foi grande.
Do Tricolor é preciso dizer o que todos viram, uma tremenda reação puxada sobretudo por Hernanes e Dagoberto, que fizeram os gols. De um time morto no intervalo à sobrevida até o minuto final da partida. Tivesse empatado em 2 a 2 iria para a Vila babando. E o Santos o receberia ressabiado. O gol, porém, mudou este cenário. O Santos fez gols em todos os jogos, tem o melhor ataque. É pouco provável então que não faça mais gols em sua casa na próxima partida. Disse a uns amigos que o Santos ganharia os quatro jogos. Já ganhou um. E ao São Paulo, o rótulo de franco atirador. Perdido por um, perdido por mil. Tem de jogar tudo, tem de ser só ataque, tem de fazer os dois gols de diferença que precisa e depois ver o que dá. Não tenho dúvidas de que o segundo duelo será ainda melhor do que foi o primeiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.