O teatro da volta de Felipe Melo ao Palmeiras ainda não está bem explicado

É muito emblemático o jogador ser reintegrado numa entrevista sozinho, sem a presença de diretores e do treinador

Robson Morelli

05 de setembro de 2017 | 13h13

A reintegração de Felipe Melo não passou de um teatrinho ensaiado pelos dirigentes do Palmeiras. O jogador se reapresentou sozinho para a entrevista. Disse o que quis e como bem quis, sem sentir na pele os olhos constrangedor de quem manda no clube, diretor de futebol, presidente, treinador – não necessariamente nesta ordem. Tudo cheira armação para que ninguém saia prejudicado até o fim da temporada. Pessoas que circulam pelo clube em dias de semana dizem que os dias de Felipe Melo estão contados, que quem manda em tudo é Mustafá Contursi, ex-presidente que avisa quando estará no Palmeiras e só anda cercado de seguranças.

Palmeiras é eliminado da Libertadores FOTO ALEX SILVA/ESTADÃO

O Palmeiras não vai se prejudicar juridicamente com o episódio Felipe Melo. Então, sua reintegração é de fachada. O fato de Cuca não estar presente na entrevista, tampouco a diretoria, é sinal de que nem tudo está resolvido. Ou não?  O torcedor palmeirense acha mesmo normal o jogador se reapresentar sozinho depois de tudo o que houve e foi dito? Felipe Melo, um volante de seis meses de Palmeiras, merece tanta referência de um time centenário e num ano em que nada deu certo? Posso quebrar a cara, mas não acredito que Cuca dará o braço a torcer. Gente mais próximo do treinador anda comentando que ele não pretende se dobrar ao jogador que o chamou de mau-caráter. Cuca, mesmo em fase ruim no comando do Palmeiras, não merece esse desrespeito.

O teatrinho que se viu na entrevista de Felipe Melo tem data para acabar: fim do ano. Até lá, o Palmeiras pretende resolver a situação do jogador, emprestá-lo, vendê-lo, deixá-lo livre para seguir sua carreira. Estou muito à vontade para comentar sobre o assunto porque já conhecia Felipe Melo de outros episódio. É bom jogador, útil, mas quem o contrata traz junto um caminhão de confusão e problemas. Não tem sido diferente no Palmeiras.

VESTIÁRIO
Se tudo não estiver bem combinado com os outros jogadores, o Palmeiras corre o risco de também perder o vestiário. Aí, cada um vai correr por si e o time será o grande prejudicado. A ver.

Tudo o que sabemos sobre:

palmeirasfutebolFelipe Melo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.