O torcedor também terá de se acostumar com o novo calendário do futebol

Robson Morelli

29 de outubro de 2013 | 15h57

Bom Senso FC e CBF chegaram a um acordo sobre o que fazer no futebol brasileiro após essa temporada. As partes envolvidas discutiram e encaminharam as seguintes propostas básicas:

1 – o calendário do futebol brasileiro só começará a mudar em 2015
2 – os jogadores terão 30 dias de férias
3 – os jogadores terão 30 dias de pré-temporada
4 – não haverá partidas oficiais no Brasil no mês de janeiro

Dessa forma, esses jogadores que se juntaram para mudar a estrutura, o calendário e o modo de fazer futebol no País ganharam a primeira batalha. Os mais ansiosos poderão cobrar a mudança já em 2014, mas como a CBF acenou e o grupo de atletas concordou, seria impossível pensar e repensar o calendário nesse Brasil continental tão em cima da hora e num ano de Copa do Mundo, portanto, diferente de tudo o que o brasileiro já viveu exceto talvez no ano de 1950, quando o País sediou sua primeira Copa do Mundo, claro, em outro formato e muito menos importante do que agora.

É razoável então começar a nova era a partir de 2015. Para o jogador, essas decisões serão fundamentais até visando ter uma carreira mais longa. Com um tempo de descanso que ele nunca teve e mais bem preparado fisicamente com os 30 dias de pré-temporada, o atleta praticamente ganhará anos de sobrevida na carreira. Basta perguntar para qualquer jogador que atuou na Europa quanto ele ganhou nessas condições. É claro que tudo isso é o começo, mas um começo positivo para o futebol brasileiro. Bom Senso e CBF trataram de envolver a Globo na discussão. Como detentora dos direitos de transmissão dos jogos, a emissora também precisaria aceitar as novas condições. Na verdade, o que houve foi um acordo de cavalheiros para 2015. E assim será até o fim de 2014.

O torcedor brasileiro também terá de se acostumar com as mudanças. Por exemplo, com a falta de partidas do seu time em janeiro. Se levar em conta que a última competição oficial do ano acaba no começo de dezembro, o futebol só voltará em fevereiro. Serão quase 60 dias com treinos e amistosos, se tiver. Isso implica, de algum forma, na audiência da TV e nas bilheterias dos clubes, além das vendas de camisas e adereços dos times. É claro que tudo isso poderá ser recuperado assim que a bola começar a rolar sobretudo se com essas conquistas os jogadores conseguirem melhorar a qualidade do futebol nacional.

Tudo o que sabemos sobre:

futebol; bom senso; cbf

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: