Os caminhos e planejamento do Palmeiras para a temporada 2020 no futebol

Palmeiras não vai seguir a cartilha do Flamengo, que ganhou Libertadores e Campeonato Brasileiro; aposta será na categoria de base

Robson Morelli

25 de novembro de 2019 | 10h54

 

Explicações e pedido de desculpa… O presidente Maurício Galiotte e o diretor Alexandre Mattos tiveram de se explicar para alguns conselheiros do Palmeiras. Falaram não da temporada de 2020, que se avizinha, mas de tudo o que foi pensando neste ano, como contratação de jogadores, opção de torneios, estrutura para que o elenco trabalhasse com segurança e tranquilidade. Fizeram isso para acalmar as críticas internas e, claro, abrandar os pedidos de demissão do diretor de futebol.

Nas costas do treinador… Mattos é o mais questionado de todos. Na conversa com os conselheiros o que foi dito para corrigir os erros caiu nas costas da comissão técnica, então comandada por Felipão. Entre as explicações, a permanência de Borja e Deyverson. Propostas para os dois jogadores foram recusadas a pedido do treinador, e com o argumento de que o Palmeiras não ganharia nada sem eles. É sabido no clube que os três (diretor, presidente e técnico) tomam e avalizam todas as decisões no futebol. Mas só o treinador foi demitido.

Descendo na tabela… O Palmeiras não vai ganhar nada neste ano. Luta no Campeonato Brasileiro para terminar a última competição de 2019 em segundo lugar, posição que pertence ao Santos após a 34ª rodada. A derrota para o Grêmio, aliada à vitória do Santos sobre o Cruzeiro, empurrou o time alviverde para a terceira colocação. Tem o mesmo número de pontos (68), mas uma vitória a menos. Pior. O elenco jogou a toalha e não joga mais com entusiamo. O Flamengo já é campeão do Brasileirão.

Mattos tem a confiança do presidente… Então, depois de ter o cargo ameaçado e entrado na mira da torcida do Palmeiras, Alexandre Mattos continua com a confiança do presidente Galiotte. Neste domingo, Mattos até voltou a dar entrevista. Pediu desculpas pelos erros de planejamento e apontou passos do clube para 2020. Sua fala também é outro indício de que ele continuará trabalhando no Palmeiras. Alguns dizem que nada vai mudar. De acordo com Mattos, a aposta será nas bases. Os jogadores que estão bem nas categorias inferiores serão incorporados ao time de Mano Menezes, que não teve como dizer não. Vai ter de aceitar.

Dispensas… Dessa forma, o Palmeiras dá de ombros para a cartilha do Flamengo, que arrumou suas finanças e passou a contratar jogadores prontos para cada uma das posições da equipe. Ganhou a Libertadores e o Nacional com quatro rodadas de antecedência. O Palmeiras deve dispensar jogadores. Mattos também reconheceu ter sido um erro segurar atletas que não estão animados para defender o time. Há pelo menos uns cinco nesta condição. A bem da verdade, o Palmeiras termina o ano com apenas um jogador diferenciado, Dudu. Todos os demais são iguais, regulares. Nenhum deles faz diferença em partidas decisivas.

Legado Flamengo… Esse é o problema do Palmeiras. Não há uma forma definida de jogar. Ninguém sabe escalar o time na ponta da língua e o elenco é repleto de jogadores medianos, alguns bons, outros nem tanto, que juntos não conseguiram nada para o clube neste ano. O legado do Flamengo na temporada, no meu modo de ver, é o fato de o time jogar ofensivamente, com jogadores de mais qualidade, sem apostar em uma competição em detrimento de outra e usando seus melhores atletas nas duas rodadas da semana. 

Fardo nas costas de Mano… É claro que não há apenas um caminho para o sucesso. O Palmeiras ganhou títulos da forma com que vem gerindo seu futebol, mas parece ter chegado ao teto com seu modo de administrar. Gasta dinheiro e não ganha nada. Contrata mal e depois não vende. Tem uma folha de pagamento alta sem necessidade. Tudo isso terá de ser revisto. O fato de terminar o ano sem nada vai esquentar o clima no clube, aumentar a pressão sobre elenco e colocar um fardo nas costas de Mano Menezes, além, claro, de deixar Mattos e Galiotte no paredão.

Bola da vez… O torcedor do Palmeiras fica bravo com as provocações dos rivais sobre a brincadeira de não ter Mundial. Tem. Mas é preciso se preparar melhorar para ganhar outro. Só assim a brincadeira deixará de existir, assim como brincavam com o ‘cheirinho’ de conquista do Flamengo e o fato de o Corinthians não ter passaporte. A bola da vez das gozações é o Palmeiras, e a diretoria do clube precisa saber disso.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolpalmeirasAlexandre Mattos

Tendências: