Os franceses vão preferir Mbappé a Neymar no Paris Saint-Germain

Os franceses vão preferir Mbappé a Neymar no Paris Saint-Germain

Há um terceiro jogador no caminho do brasileiro, o uruguaio Cavani, que volta da Copa em alta

Robson Morelli

18 de julho de 2018 | 14h01

De acordo com o conceituado jornal espanhol El País, o pai de Neymar garantiu a permanência do jogador no Paris Sainte-Germain, mesmo a despeito de todas as especulações (não desmentidas até agora) sobre uma possível venda do jogador para o Real Madrid por vontade própria. Já que o filho não fala e continua de férias no Rio, de acordo com as últimas postagens nas redes sociais do próprio atleta, Neymar pai resolveu colocar um basta nessa história de transferência. Pelo menos por enquanto. Digo isso porque, de acordo com o jornal espanhol, a família do jogador pontuou uma exigência para que o contrato não seja rompido: que Neymar continue sendo tratado com mais destaque do que qualquer outro jogador do time francês. Essa, aliás, teria sido uma condição básica para que o brasileiro deixasse o Barcelona. Então, não mudaria nada. Mas o pai de Neymar fez questão de pontuar isso.

Ocorre que Neymar tem agora, depois da Copa do Mundo, dois concorrentes ao trono no PSG. O atacante uruguaio Cavani, que já era um desafeto do brasileiro, e Mbappé, que deixou o clube como menino para jogar a Copa da Rússia e retorna como homem formado. Não tenho dúvida de que os franceses vão preferir Mbappé a Neymar. Dúvida nenhuma. E digo mais: a boa parte da torcida prefere Cavani ao atacante da seleção brasileira.

Então, o que o pai de Neymar fez foi colocar mais lenha na fogueira (de muita vaidade por parte dos Neymar) e arrumar a primeira confusão pós-Copa ao filho. É justo que Neymar, por tudo o que o clube francês pagou por ele, continue sendo o principal jogador do PSG. Ao menos no papel, no contrato, na canetada. Isso está garantido.

Mas será outra história em relação aos franceses, à torcida do Paris Saint-Germain, às escolhas dentro de campo a quem vaiar e aplaudir. Mbappé e Cavani, só para citar os dois principais jogadores do time, além do brasileiro, voltam da Copa em posições bem mais vantajosas do que Neymar. E isso não se consegue com a assinatura do contrato. Neymar pode até continuar tendo suas regalias e ser a cara do PSG no mundo, o que também duvido, já que o atacante francês não será vendido, ao que tudo indica, mas ele não vai “comprar” aplausos dos franceses ou de quem quer que seja. Neymar terá de conquistar isso no campo.

Essa deveria ser a postura do seu pai. É hora de falar menos e tentar trabalhar mais para recuperar a imagem negativa que Neymar deixou ao mundo na Copa. Não há outro caminho. Cavani e Mbappé são tão importantes aos franceses quanto Neymar. No caso do jogador campeão do mundo, ele é até mais.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolNeymarMbappéPSG

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.