Os técnicos estragam o futebol brasileiro. É preciso ser melhor do que eles são atualmente

Os técnicos estragam o futebol brasileiro. É preciso ser melhor do que eles são atualmente

A dança das cadeiras já começou. Quem é demitido num clube se acerta em outro como se fosse o salvador da Pátria

Robson Morelli

07 de novembro de 2019 | 10h31

Fracasso… Um treinador que fracassa num clube é visto como a salvação em outro. O torcedor não compra mais essa ideia. Os técnicos estão estragando o futebol brasileiro. Mano Menezes não conseguiu fazer o Cruzeiro reagir na temporada e chegou ao Palmeiras como substituto ideal para Felipão. Carille fracassou em sua volta ao Corinthians, ficou sem ambiente no vestiário e agora é cotado para assumir o Atlético-MG. O time já o convidou tempos atrás. O Corinthians trabalhou rápido e tirou Tiago Nunes do Athletico-PR. A contratação muda o perfil de técnico do clube. Cuca e Felipão estão no mercado. Felipão não pensa em trabalhar no Brasil. Pode ir para a China de novo. Pode assumir uma seleção para a Copa do Catar, em 2022, e também olha com carinho a possibilidade de treinar o Boca Juniors, da Argentina.

Sem tempo… As trocas feitas na temporada ainda não surtiram efeito. Provavelmente nem surtam. Não há tempo. Há pressão. Joga para ganhar e mais nada. Pensam nos 90 minutos e só.

Mudanças…  Alberto Valentim, por exemplo, já perdeu quatro no Botafogo e nesta quinta enfrenta o Flamengo. Abel Braga respira um pouco no Cruzeiro, mas corre sérios riscos. O Flu, depois de Oswaldo de Oliveira, joga mal com Marcão e corre risco de rebaixamento. O Inter, da mesma forma, não se acertou mais após a saída de Hellmann. Luxemburgo continua sua batalha no Vasco. O fato é que todos esses técnicos agora jogam para não perder, para não ser rebaixado e para tentar alguma coisa para 2020, uma Sul-Americana, Libertadores e nada mais.

Trabalhos ruins... O trabalho de todos eles neste ano foi ruim, raso, para trás, com lampejos de boas armações, mas muito longe de mudar um time ou a forma que pensam e tratam o futebol. Os técnicos até podem ser bons, mas o trabalho deles é ruim. Por isso que todos falam de Jorge Jesus, do Flamengo, e Sampaoli, do Santos. Esses dois, desde o começo, acertaram as equipes e colocaram seus jogadores para frente. Está mais do que na cara que o torcedor quer ver seu time da mesma forma com que esses dois senhores trabalham. Com ousadia e coragem.

Lições… Alguma lição devemos tirar da temporada. Acredito que 2020 vai ser muito melhor do que 2019. Não dá mais para se contentar com o futebol covarde e rasteiro que estamos vendo no Brasileirão. Quem vai querer pagar por isso? Ninguém.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolCruzeiroCorinthianspalmeirasSantos

Tendências: