Palmeiras, Flamengo, suas gestões e fracassos que mexem com o torcedor

Equipes mais bem geridas do País derrapam na Copa do Brasil e expõem suas fraquezas

Robson Morelli

18 de julho de 2019 | 10h40

Boas gestões financeiros… Um dia antes de Palmeiras e Flamengo serem eliminados da Copa do Brasil, o Estadão fez uma reportagem informando seus leitores que os dois clubes se destacam por suas gestões, finanças e organização de contas. Por causa disso, são os dois times que mais arrecadaram em 2018, batendo na casa dos R$ 1,1 bi juntos. No dia seguinte, Palmeiras e Flamengo fracassam na competição nacional, perdendo vagas na semifinal para Internacional e Athletico Paranaense, respectivamente. A torcida das duas equipes pareciam não acreditar nisso. Ambos caíram na Copa do Brasil nas decisões por pênaltis.

Culpados… Dos dois lados seus personagens pediram paciência e calma. Vida que segue. O torcedor não entende muito bem isso e fica apontando culpados. O futebol precisa de vilões e heróis. No Flamengo, o meia Diego, camisa 10 e de muita história no futebol, errou seu pênalti. Mas errou de forma a cavar sua saída do clube. Diego cobrou de cavadinha nas mãos do goleiro do clube do Paraná. Nas mãos. Ora, era o primeiro pênalti, aquele que dá moral para a sequência das cobranças, aquele que levanta a torcida e a faz acreditar, aquele batido pelo melhor jogador do time, o cobrador número 1. Mas Diego errou e isso marca a passagem de um jogador pelo clube. Não seria estranho se Diego não conseguir mais ambiente na Gávea, não com os outros jogadores, mas com parte da diretoria. Se a cobrança de Diego é comentada em São Paulo, imagina no Rio.

Sem jogar bola… Da mesma forma, o Palmeiras foi eliminado sem conseguir convencer seu torcedor de que entregou tudo em campo. O Palmeiras também errou seus pênaltis como o Flamengo, mas o fracasso esteve mais associado à forma de jogar no tempo normal. O time fraquejou. Não teve a bola. Não chutou a gol. Não fez tabelas. Abusou dos chutões para qualquer lado. Dudu, o principal atacante, resumiu sua atuação nas cobranças de laterais para a área. Deyverson… Bom, o Palmeiras não teve atacante. Não marcou no meio de campo, deixou D’Alessandro jogar…, enfim, foi uma apresentação muito ruim do time. Ninguém jogou nada. Os jogadores não mencionados aqui, como Lucas Lima, não merecem ser mencionados.

Ninguém vai morrer por isso… Mas estou com Felipão quando ele diz que “ninguém morreu” com a eliminação. É verdade. Fica a dor pelo fracasso. Tanto Palmeiras quanto Flamengo são bem geridos e devem continuar assim. A gestão propicia que os times estejam sempre nas decisões, sempre brigando pelos campeonatos. Flamengo e Palmeiras têm agora o Brasileirão e a Libertadores.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolpalmeirasFlamengo

Tendências: