Palmeiras mostra eficiência, atropela o Santos e se livra de um rival direto nesse momento do Brasileiro

Felipão oferece a Sampaoli um pouco do seu próprio veneno

Robson Morelli

18 de maio de 2019 | 21h03

Quem apostou seco 4 a 0 para o Palmeiras contra o Santos, acertou sozinho. Ninguém podia imaginar esse resultado, e por motivos simples. O Santos, até então, era um dos primeiros colocados no Brasileirão, com poder de fogo invejável desde o começo da temporada. Portanto, era de se esperar que fizesse mais do que fez no Pacaembu. Ficou com a bola, mas não achou o gol, nem no primeiro tempo nem no segundo. Foi uma equipe longe do seu padrão.

O Palmeiras também surpreendeu. Jogou muito mais do que vinha apresentando, principalmente no seu meio de campo, com roubadas de bola e distribuição, e um ataque que não perdoou. Foi achando brechas e fazendo gols, com bola parada e contra-ataques. A saída em velocidade do Palmeiras foi decisiva. Importante. Méritos para os jogadores, que foram firmes e sérios, precisos, embora econômicos. Ficou pouco com a bola, é verdade. Mas superou isso com eficiência.

Felipão mandou o Palmeiras para cima do Santos sem medo, sem deixar o rival respirar, convencendo seus jogadores de que não deveria ter bola perdida. Era proibido desistir das jogadas. Deu a Sampaoli um pouco do seu próprio veneno. Esse Palmeiras deu gosto de ver jogar. Tem de atuar dessa maneira em todas as partidas. Acredito ser possível com a qualidade do elenco.

Com os três pontos, o Palmeiras mantém a liderança na competição depois da quinta rodada e vai somando pontos antes da parada para a Copa América no Brasil. Neste sábado, se livrou de um rival direto pela primeira colocação nesse momento da disputa.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolpalmeirasbrasileirao

Tendências: