Palmeiras será o próximo a passar pela maldição do desmanche de times campeões?

Cruzeiro e Corinthians passaram por isso depois de festejar o Campeonato Brasileiro

Robson Morelli

27 Outubro 2016 | 11h44

Na iminência de ganhar o Campeonato Brasileiro, depois de 22 anos e algumas temporadas ruins, com times fracos e equipe figurando na segunda divisão, o Palmeiras está próximo também de terminar a era Paulo Nobre no clube. O presidente deixa o posto no fim do ano depois de costurar a política nos corredores do clube, indicar um candidato único para a presidência, assumir e tocar uma arena rentável e, acima de tudo, entregar ao torcedor um Palmeiras vencedor e nos trilhos dentro de campo. Com seis pontos de vantagem para o segundo colocado, o Flamengo, e faltando seis rodadas para o fim da disputa, o Palmeiras precisa primeiro consumar sua campanha com o título (o torcedor bate na mesa quando alguém festeja antes da hora) e depois se afastar da tentação de vender os melhores jogadores, perdê-los para o futebol da Europa, com seus euros sedutores e torneios empolgantes.

PalmeirasMarcioFernandesEstadao11_570

Tem sido assim na vida dos clubes brasileiros. O Cruzeiro bicampeão nacional amargou um desmonte depois de encantar o País e se viu, após as vendas de seus jogadores, na zona de rebaixamento, sem força para reagir e minguando na competição. Melhorou com a chegada de Mano Menezes, mais ainda está longe de recuperar aquele ciclo que deu inveja aos concorrentes.

Depois veio o Corinthians, atual campeão brasileiro, a sofrer com a debandada de seus jogadores. 19 ou 20 voaram para a China ou outras praças, de modo a não sobrar nada no elenco. Nem o comandante Tite permaneceu. De campeão, conseguiu se sustentar na primeira parte do ano para depois perder terreno, sua situação atual. Mudou de técnicos algumas vezes e agora tenta retomar o caminho das vitórias com os ovos que tem nas mãos e sob o comando de Oswaldo de Oliveira. Tanto Corinthians quanto Cruzeiro pagaram pela competência. E também por diretorias incompetentes, sem argumentos ou força para segurar seus jogadores, ou alguns deles ao menos.

O próximo da fila pode ser o Palmeiras. O melhor time da temporada, prestes a ganhar o Nacional, já se desfez de Gabriel Jesus, de malas prontas para o Manchester City. O menino de 19 anos é o melhor do time. Paulo Nobre e Alexandre Mattos terminam a parceria dispostos a não perder ninguém, a continuar a filosofia de fortalecer a equipe e contratar pontualmente nas posições que o time carece, de modo a não se desfazer dos craques e assim manter o time forte para 2017. Não será fácil. É sabido no futebol que elenco que ganha título pede aumento de salário, prêmios extras… renovação de contrato para ficar. Esse canário será noticiado em breve no Palmeiras, assim que o time consumar o título brasileiro.

Mais conteúdo sobre:

Palmeiras; futebol; Paulo Nobre;