Palmeiras tem 25 dias para amadurecer para sua primeira final da nova fase

Palmeiras tem 25 dias para amadurecer para sua primeira final da nova fase

A classificação sobre o Fluminense dará confiança ao grupo e elevará a autoestima dos jogadores

Robson Morelli

29 de outubro de 2015 | 09h47

O Palmeiras cumpre sua primeira missão na temporada: chegar à final da Copa do Brasil. O plano sempre foi esse, o de levar o time bem nas duas competições do ano, a Copa do Brasil e o Brasileirão. O objetivo sempre foi também a Libertadores de 2016. Ganhar seria consequência do trabalho. O Nacional, com o Corinthians voando e Atlético-MG e Grêmio mais maduros, nunca foi pensado em conquista. Para esse elenco não dava neste ano. Mas na cabeça do presidente Paulo Nobre e dos jogadores sempre houve dois caminhos para a América: ficar no G-4 do Nacional e levantar o caneco da Copa do Brasil.

PalmeirasposadoCopadoBRasilFukuda_570

As duas possibilidades ainda estão na mesa. A vitória nos pênaltis contra o Fluminense, com um primeiro tempo primoroso em boa parte do tempo, dá esperança ao torcedor e prova que o time tem competência. Ganhou de 2 a 1 no tempo normal e de 4 a 1 nos pênaltis. Não importa o quanto o torcedor sofreu. Mas a equipe ainda não está madura para decidir um título, sofre muito em campo, recua como time pequeno, e esse é o grande desafio de Marcelo Oliveira para as finais, das duas competições: arruma a casa. O Palmeiras tem 25 dias para aprender a decidir. Não será fácil. Terá de haver muita conversa e dedicação, condicionamento. Os jogos finais serão dias 25 de novembro e 2 de dezembro.

A classificação como foi, sem dúvida, dá ao elenco confiança e eleva a autoestima do grupo, dos jogadores individualmente, da comissão técnica. Para fazer história com uma temporada de antecedência, esse Palmeiras terá de superar o Santos, o melhor time do momento, uma máquina de fazer gols, na Vila e fora dela. Meteu 6 a 1 no São Paulo no placar agregado. Não é para qualquer um. Esse time do Palmeiras era para 2016, mas se beliscar alguma coisa nesse ano, ótimo para todos no clube. Grandes equipes nascem assim.

Marcelo também terá de fazer o time jogar bem, como um grande, do começo ao fim da partida, o que não tem acontecido. O Palmeiras vai bem em partes do jogo apenas e não nele todo. Quem quer ser campeão precisa atuar bem os 90 minutos. Da mesma forma, para conseguir a vaga no G-4 do Brasileiro, precisa atuar melhor, com mais regularidade dentro dos 90 minutos. Não recuar tanto e oferecer perigoso constante ao rival. Colocar a bola no chão. Nesta quarta, foi uma noite de alegria para o palmeirense, mas ele quer mais. Quer o título. Quer a Libertadores. Quer uma revanche contra o Santos pelo Paulistão. Quer bater no peito, como fez Zé Roberto no começo do ano, e festejar.

Essa situação também passa pela condição física do elenco, que parece ruim nesse momento. O caminho, portanto, é curto para a comemoração e para a alegria, mas os desafios são muitos agora que o Palmeiras chegou. Perder agora será mais dolorido para o torcedor se tivesse ficado pelo caminho.

Tudo o que sabemos sobre:

Palmeiras; copa do Brasil; futebol

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.