Palmeiras vê título da Libertadores com reais possibilidades de ganhar, repetindo 1999, sua única conquista

Palmeiras vê título da Libertadores com reais possibilidades de ganhar, repetindo 1999, sua única conquista

Há muita confiança entre os atletas com a troca da comissão técnica, vitórias seguidas e rivais inferiores ou no mesmo nível até a final

Robson Morelli

08 de dezembro de 2020 | 15h56

A confiança na conquista da Libertadores é grande dentro do Palmeiras, talvez como nunca tenha sido nas últimas temporadas. Isso tem a ver com a melhora dos jogadores e do time, com a chegada do técnico português Abel Ferreira e com o caminho do clube após o sorteio. A partir de agora, a prioridade do Palmeiras é com a competição continental, o que não quer dizer que a equipe não vá se entregar no Brasileirão ou na Copa do Brasil. Mas se tiver de optar, a Libertadores estará sempre na frente.

Passar pelo Libertad na decisão que começa nesta quarta-feira não parece um problema que tire o sono do elenco, da comissão técnica e da diretoria. Mas todos sabem no clube que a Libertadores prega peças. Há jogadores novos que precisam aprender o peso do torneio, e conhecer suas armadilhas. O Flamengo, por exemplo, esteve perto de perder o título para o River Plate em 2019, não fossem os dois gols de Gabigol nos minutos finais, quando estava 1 a 0 para o rival argentino. O River poderá estar no caminho do Palmeiras na semifinal, caso ambos se classifiquem. O time da Argentina mede forças com o Nacional, do Uruguai. É jogo duro.

O Palmeiras escorregou nas últimas edições. Em 2017, o time caiu frente ao Barcelona, do Equador, nas oitavas de final. Perdeu nos pênaltis dentro do Allianz. Em 2018, não passou pelo Boca Juniors após derrota lá e empate em São Paulo. E no ano passado, apanhou do Grêmio no Pacaembu porque seu estádio estava alugado para outros eventos. Era fase de quartas de final. Alguns dos atletas de Abel viveram tudo isso. Portanto, sabem o tamanho da encrenca que é a Libertadores.

Neste ano, a zebra maior passeou pelo Rio, quando o Racing eliminou o Flamengo, de Rogério Ceni. O São Paulo também perdeu vaga após etapa de grupos para a LDU. O Palmeiras quer evitar sustos e bobeiras. Por isso, Abel Ferreira pede para o time ‘definir’ em Assunção. Ou pelo menos encaminhar a classificação, como fez nas oitavas diante do fraco Delfín. Todas as conversas têm sido com esse tom: não dar bobeira e achar que já ganhou. Isso vale também para a reta final da Copa do Brasil, contra o América-MG na semifinal.

Campeão Paulista, o Palmeiras está confiante em suas chances nas duas competições. No Brasileirão, o time promete brigar até o fim, mas já não é mais prioridade. O clima é bom, os garotos ganharam o braço de ferro com os mais veteranos, todos compraram as ideias do português e a fase ruim de contaminação pela covid-19 parece ter ficado para trás. O Palmeiras faz suas contas para tentar repetir o feito de 1999, quando festejou sua única Libertadores.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolpalmeirasCopa Libertadores

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.