Para ficar no cargo, Marin terá de oficializar o ‘mensalão do futebol’

Robson Morelli

16 de abril de 2013 | 13h26

O presidente da CBF costura com seus eleitores, os dirigentes das Federações de Futebol de todos os estados brasileiros, o pagamento de uma verba gorda em troca de sua permanência no cargo por mais quatro anos ou até quando deixarem ou até quando sua saúde permitir. O fato é que se José Maria Marin não oficializar o mensalão do futebol, ele terá de enfrentar provavelmente a oposição de Andrés Sanchez ou de quem mais se candidatar ao trono.

Marin está contra a parede. Trata-se de uma rebelião silenciosa, que há muito não se via no comando do futebol nacional. O poderoso chefão Ricardo Teixeira, hoje morando em Boca Raton, nos Estados Unidos, longe de tudo e de todos, nunca sofreu tamanha ameaça. Teixeira sempre soube ‘controlar’ seu eleitorado, o que Marin parece não ter aprendido nem conseguido.

Os presidentes das Federações pedem o que sempre pediram para beijar a mão do capo: dinheiro. E querem bem mais que o valor atual do contra-cheque. Todo mundo já percebeu que a Copa do Mundo traz chance única de acertar a vida e a condição de muitas instituições que passam o pires para tentar organizar seus campeonatos locais e que a hora é essa para exigir um pouco mais. Hoje esta mesalidade é de R$ 50 mil por mês. Pedem R$ 100 mil mensais. O que daria R$ 1,2 milhão por temporada. É bom dinheiro.

Sem pagar a mesada, Marin dificilmente se sustentará no cargo. O respeito e comprometimento que existia com Ricardo Teixeira, mais de duas décadas no poder, não existe nem de longe com Marin. Se cair hoje, outro assume a vaga no dia seguinte. É vida que segue sem remorso. Marin, uma raposa da política, está sem saída. Até mesmo para fazer seu sucessor, que provavelmente seria o presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo del Nero, Marin terá de se acertar com os eleitores. É sinuca de bico para o presidente da CBF. E um belo golpe dos dirigentes de federações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.