Para o torcedor, jogos às 11 de domingo é uma boa: acaba antes do almoço

Jogadores e comissão técnica não aprovam esse horário porque mexe com o sono e a preparação de décadas

Robson Morelli

08 de maio de 2015 | 10h59

PalmeirasJFDiorioEstadao_570

A casa cheia e as conversas com que tive com amigos que vão aos estádios em São Paulo, de todos os times, me convencem de que o horário de jogo às 11 horas do domingo está aprovado. É claro que me refiro a um grupo pequeno, quase insignificante, em comparação com a massa que lota os estádios, mas já é uma opinião: o torcedor gosta desse horário das 11 horas do domingo. A CBF está disposta a institucionalizar partidas nas manhãs do domingão. O torcedor acorda e vai para o estádio para chegar para o almoço ainda.

O que era para ser apenas um teste na primeira rodada do Brasileirão, neste domingo, entre Grêmio x Ponte Preta, já virou determinação para as rodadas iniciais do campeonato nacional que começa sábado. A CBF se contenta com o que ela chama de ‘sucesso’ nas partidas que o Palmeiras fez no Allianz Parque às 11 horas. Não vai pensar mais nisso e a cada rodada do fim se semana, um jogo será pela manhã, faça chuva ou faça sol.

Os jogos remarcados são:
10 de maio – 11h – Grêmio x Ponte Preta
17 de maio – 11h – Figueirense x Vasco
24 de maio – 11h – Palmeiras x Goiás
30 de maio – 11h – Santos x Sport
7 de junho – 11h – Inter x Coritiba
14 de junho – 11h – Ponte x Goiás
21 de junho – 11h – Cruzeiro x Chapecoense
28 de junho – 11h – Atlético-MG x Joinville

Os jogadores e as comissões técnicas dos times não aprovam a mudança. Os atletas reprovam porque deixam de dormir mais e praticamente trocam horas de sono de manhã por atividades e refeições, tudo o que fazem nas concentrações a partir do meio dia. Para jogos às 11 horas, eles começam as atividades por volta das 7h da manhã. O organismo reclama. Os treinadores e seus pares reprovam a iniciativa porque ela muda com toda a estrutura montada há décadas pelos clubes.  Não pensam que lá pelas 14 horas já estarão em suas casas com familiares. Até podem ver aos jogos da tarde pela televisão. Perdem de manhã, mas ganham à tarde.

Se a decisão da CBF tiver mesmo como única preocupação o interesse do torcedor, acho bastante válida. É claro que a televisão vai entrar nessa também, mudando sua grade quando quiser passar uma partida. Mas esses são problemas da gestão do futebol que as partes envolvidas terão de resolver. Tomara resolvam pensando no torcedor, o único que deveria ser ouvido e levado em consideração.

Também é inegável que jogo nesse horário reduz a sede de bebidas alcoólicas dos torcedores, imagino, o que poderia reduzir também as encrencas e brigas entre torcidas rivais e até amigas. Geralmente nas partidas à tarde, o torcedor faz o seu ‘esquenta’ nas barraquinhas ambulantes de comida e bebida até entrar no estádio. A mudança do horário  também pode ajudá-lo a economizar um troco.

Tudo o que sabemos sobre:

futebol; brasileirão;

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.