Presidente do Santos não vai colocar dinheiro do próprio bolso no clube como já fez no passado

Jogadores já cobraram novo gestor dos salários atrasados; dirigente promete pagar as contas até a virada da temporada

Robson Morelli

22 de janeiro de 2021 | 14h55

Andrés Rueda, novo presidente do Santos, não vai colocar dinheiro do próprio bolso no clube, como já fez em situações passadas para não deixar o time ser prejudicado por causa de má gestão. Rueda espera resolver em sua administração alguns dos problemas que assombram o clube na temporada, o principal deles é a falta de dinheiro. A dívida já passou dos R$ 500 milhões. O que mais incomoda o dirigente é a falta de pagamento de seus colaboradores, incluindo os jogadores. O elenco teve de conviver com salários atrasados durante todo o ano.

Vender jogar é a única solução. Ganhar a Libertadores também. Nenhum atleta, se tiver oferta e quiser sair, será impedido de deixar a Vila Belmiro. A campanha, com a chegada na final da Libertadores, já dá ao novo presidente um alento. Com isso, ganhando ou perdendo diante do Palmeiras, ele sabe que terá alguns meses de paz e, assim, poderá dar mais atenção às finanças do clube. Colocar a folha de pagamento em dia é questão de honra em seus primeiros meses. Ele quer virar a temporada com tudo acertado.

Cuca conseguiu segurar o elenco até agora, mas não terá a mesma força após o Brasileirão. Daí a necessidade de vender mais jogadores e tentar antecipar receitas com TV, CBF, Federação Paulista e patrocinadores. O clube começa a pensar em novas fontes de renda. Nesta semana, lançou uma clube de assinantes nos moldes dos clubes de livros que existem no Brasil, com receitas mensais.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolSantos FCAndrés RuedaCuca

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.