Quanto o projeto Flamengo se sustentaria sem seu principal idealizador, o mister Jorge Jesus?

Técnico português está na mira do Benfica por um dinheiro informado em Portugal bem maior do que paga o clube brasileiro

Robson Morelli

07 de julho de 2020 | 10h00

A solidez de um projeto no futebol brasileiro está diretamente ligado à figura do seu treinador. É assim porque os dirigentes sabem pouco de futebol e de projetos vencedores, nadam no raso nesse assunto, e tendem a entregar tudo aos treinadores. Geralmente é pior quando se metem a fazer o que não sabem. São preparados para outras coisas. Não estão no vestiário diariamente, onde tudo acontece. Então, no Brasil, não à toa os técnicos são muito bem pagos. Andávamos por uma safra ruim até as chegadas de dois estrangeiros: Jorge Jesus e Jorge Sampaoli. Eu já escrevi aqui que ambos entrariam na mira de clubes da Europa brevemente. O Benfica, segundo notícias vindas de lá, está louco para tirar Jesus do Flamengo. Pagaria um dinheiro que não tem, muito mais ao que pagava ao último comandante. E maior também do que ele recebe no Flamengo.

A experiência me mostra que time nenhum se sustenta sem seu idealizador ou seu imã, no caso Jesus. O português chegou de mansinho e foi ganhando os jogadores e a torcida. Pronto. Nem precisava ser simpático com mais alguém. Mesmo assim ele foi. A diretoria do Flamengo se derrete pelo treinador. E não tem um plano B caso ele siga para sua terrinha, chamado pelo Benfica.

Jesus tem o elenco nas mãos. E olha que há muita vaidade nesse time em que todos têm condições de jogar, de ser titular. Ele não me parece ter problemas nesse quesito. Jesus transformou Gabigol no que ele é hoje: um atacante amado no Brasil e com pedidos para jogar na seleção brasileira. Fez o mesmo com outros no elenco. Deu jeito em Bruno Henrique, colocou Arrascaeta para jogar, recuperou Diego, ajeitou a defesa, encontrou dois laterais, fez um meio de campo técnico… Sua presença à beira do gramado motiva o time e encanta a torcida.

Jesus vende também. E ganha títulos. Brasileirão, Libertadores… Com ele, o Flamengo sonha repetir a dose neste ano e voltar a fazer a final do Mundial de Clubes da Fifa. Jesus não mexe diretamente com dinheiro, mas ajuda a fazer com que os cofres do clube fiquem cheios. R$ 1 bilhão de receita na temporada passada. Nenhum outro chegou perto. O que quero dizer com isso é que tudo no Flamengo gira em torno do seu treinador. Assim como Gabriel, Jesus também é a cara desse Flamengo. Daí a dúvida se o projeto sobrevive sem ele. Nada é certo sobre sua saída para o Benfica. Ele tem contrato assinado com o Fla. Mas contratos no futebol não são correntes, não prendem mais ninguém.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolBenficaFlamengoJorge Jesus

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.