R$ 300 milhões durante 20 anos para dar nome ao Itaquerão é pouco

Robson Morelli

16 de agosto de 2011 | 09h13

O Estadão (jornais o Estado de S. Paulo, estadão.com e JT) divulgou hoje que o Corinthians tenta vender o nome do Itaquerão por R$ 300 milhões. Um bom dinheiro quando se pensa no todo. Parte desse montante seria adiantada. O restante, pagos em parcelas a definir. A oferta de um banco privado está sobre a mesa do presidente Andres Sanches, informa o repórter Wagner Vilaron.

Digo é que dinheiro de pinga. O tal banco quer fazer o acordo por 20 anos. O Corinthians força a barra para assinar por 15 temporadas. Vamos às contas: R$300 milhões por 20 anos daria ao clube R$ 15 milhões/ano. Ou seja, R$ 1,25 milhão por mês. O Corinthians fez isso com bilheterias nesta temporada jogando no Pacaembu quando nadava de braçadas na liderança do Brasileiro. Em um único jogo, diga-se. Se fizesse três partidas em casa nestas condições (nunca duvide dos torcedores corintianos), levaria R$ 3,75 milhões por mês.

Se a conta fechar nos 15 anos, o clube ganharia um pouco mais: R$ 1,67 milhão por mês.

Como disse, é dinheiro de pinga para o futebol, para o Corinthians.

Mas é dinheiro. E quando se passa o pires, qualquer gorjeta ajuda. O contrato é que vai mandar, definir o que cada parte tem direito. O clube pode ‘inventar’ outras estratégias no Itaquerão para engrossar as receitas desde que o dono do nome concorde. É tudo uma questão de composição.

O ganho é poder antecipar receitas que só viria quando o último tijolo fosse assentado, lá para dezembro de 2013, se tanto. A diretoria corintiana tem apenas essa proposta, mas acredita poder receber mais algumas depois que o Itaquerão ganhar sua cara, sua forma. Por enquanto é só terreno tratado.  Está favorável a esperar um pouco mais.

ALGUNS EXEMPLOS

Os Estados Unidos são os campeões nesse negócio, e os clubes de lá têm feitos acordos de dar inveja. O acordo entre o time de beisebol do New York Mets com o Citigroup foi no valor de US$ 400 milhões (R$ 600 milhões) por 20 anos. Na Europa, principalmente na Inglaterra, as dobradinhas têm sido na casa dos R$ 400 milhões por 15 anos.

Leia a reportagem do Estadão: http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,itaquerao-tem-oferta-de-r-300-mi,758931,0.htm

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.