Raí ficaria no São Paulo até fevereiro se toda diretoria de futebol permanecesse, o que não vai acontecer

Raí ficaria no São Paulo até fevereiro se toda diretoria de futebol permanecesse, o que não vai acontecer

Diretor Alexandre Pássaro não vai trabalhar com o novo presidente, Julio Casares, e confirma saída neste mês de dezembro, quando acaba seu contrato; ídolo pode rever decisão

Robson Morelli

21 de dezembro de 2020 | 14h08

Raí pode estar de saída do São Paulo. A condição para ele permanecer até fevereiro, quando a temporada deste ano acaba, estava diretamente ligada à continuidade de todos os membros da comissão técnica e diretoria de futebol, o que não vai ocorrer. O diretor Alexandre Pássaro, parceiro de Raí no Morumbi, anunciou sua saída do clube nesta segunda. Ele fica até o último dia do seu contrato, dia 31 de dezembro.

Dessa forma, Raí deverá pegar o seu boné também. O presidente Julio Casares quer Raí até o fim da temporada, mas não vai renovar o contrato de Pássaro. Raí não sabia disso quando foi convidado a permanecer. Casares levou Raí em sua casa para fazer o pedido. Raí ainda não disse ‘sim’ nem ‘não’. Mas como sabe que não ficará após fevereiro, deve deixar o São Paulo agora, com todos os seus pares do futebol. Se isso de fato ocorrer, o São Paulo terá de agir rápido para fazer a troca e oficializar seus novos comandantes.

Tudo já está encaminhado, como Muricy Ramalho no comando de volta ao Morumbi. E Kaká em área estratégica. Ganhando ou perdendo os campeonatos que se colocam à frente do time, Brasileirão e Copa do Brasil, Casares diz que ficará com Fernando Diniz no comendo da equipe. O treinador deu a volta por cima e ganhou a todos no clube. Um problema a menos. A pergunta é se o São Paulo sobrevive sem Raí e Pássaro. Casares pensa que sim.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolRaíSão Paulo FCJulio Casares

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.