Renato Gaúcho quase vestiu a camisa do São Paulo, foi apresentado no clube, mas nunca jogou

Renato Gaúcho quase vestiu a camisa do São Paulo, foi apresentado no clube, mas nunca jogou

O atacante estava em seus últimos suspiros como jogador, passou ainda pelo Flamengo antes de encerrar sua carreira em 1999, no Bangu

Robson Morelli

23 de dezembro de 2020 | 14h28

O futebol é apaixonante porque também prega peças. Renato Gaúcho, treinador do Grêmio que enfrenta nesta quarta-feira o São Paulo pela semifinal da Copa do Brasil, quase jogou pelo time do Morumbi um dia. Isso foi em 1997, quando o presidente do Tricolor paulista era Fernando Casal de Rey. Uma trama foi feita para tirar o atacante do Rio e fazê-lo jogador em São Paulo. A Federação Paulista de Futebol, com as ideias faraônicas do seu dirigente Eduardo José Farah, pagaria o salário de Renato. Foi tudo combinado.

 

Renato conheceu as dependências do Morumbi, foi apresentado a todos, segurou a camisa do time nas mãos, mas nunca a vestiu. Nem naquele dia da apresentação. O jogador estava no Fluminense, gostava do clube e da vida que levava no Rio, com praia, sol e futebol. Mas o Flu devia R$ 1 milhão ao atacante. Como não pagava, Renato não apareceu para treinar. Foi para São Paulo, mas nunca deixou de pensar no time carioca. Pediu para o Fluminense pagar sua dívida, o que aconteceu em parcelas. Assim, Renato Gaúcho desfez o que havia combinado com o São Paulo e permaneceu no Rio.

O profissional nunca jogou ou comandou times de São Paulo. Em 1997, foi quando esteve mais perto disso. Não deu certo. Naquele mesmo ano, ele foi para o Flamengo, onde ficou até 1998. Bangu foi seu último time, em 1999. Em 2000, virou treinador do Madureira. Veja o vídeo de uma reportagem da Rede Globo na época.

 

Tudo o que sabemos sobre:

futebolRenato GaúchoSão Paulo FC

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.