Richarlison quebra protocolo do ‘não é comigo’ e cobra responsáveis pelo apagão no Amapá

Richarlison quebra protocolo do ‘não é comigo’ e cobra responsáveis pelo apagão no Amapá

Jogador da seleção brasileira diz que o povo está sofrendo, oferece gol às pessoas do Estado e pede providências

Robson Morelli

18 de novembro de 2020 | 09h11

Richarlison quebrou o protocolo do jogador de futebol da seleção brasileira ao comentar e pedir providências a quem de direito pelo apagão do Amapá. O atacante poderia se valer do discurso-comum de seus colegas após as partidas e falar apenas do jogo e das jogadas. Mas ele preferiu entrar em outro jogo, o do seu País, e se colocar como cidadão que vê atrocidades e levanta sua voz para elas. Coisa rara entre seus colegas de profissão, mas um caminho aberto para quem quiser opinar e sair da caixinha.

Foto Reuters

A FRASE DE RICHARLISON
Queria dedicar esse gol a todas as pessoas do Amapá que estão sofrendo muito. Eu, como cidadão brasileiro, peço que as autoridades se pronunciem, tomem uma decisão logo, porque o povo de lá está sofrendo e acho que as autoridades poderiam dar uma atenção a mais. Espero que possam olhar com carinho para o povo de lá também, que está lutando, o imposto está caro, a comida está cara, e eles estão sofrendo. Que possam tomar as providências para resolver isso logo.

Richarlison joga no Everton, da Inglaterra. Está na seleção desde que Tite viu nele um fazedor de gols nato. Ele não nasceu no Amapá, mas ganhou a simpatia de todo o Estado. Richarlison, cujo apelido e pombo, é filho de Nova Venécia, cidade do Espírito Santo. Ele tem se posicionado em assuntos do Brasil e isso faz dele um atleta diferenciado. Com seu apelo à condição do apagão do Amapá, ganha o respeito de muita gente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.