Santos e futebol brasileiro precisam reagir sempre aos comentários racistas e preconceituosos. Numa boa!

Santos e futebol brasileiro precisam reagir sempre aos comentários racistas e preconceituosos. Numa boa!

Lucas Braga sofre injúrias raciais de um narrador de rádio que transmitia a partida do Santos com o Grêmio pelo Brasileirão

Robson Morelli

04 de fevereiro de 2021 | 09h52

A história é essa: o narrador Haroldo de Souza, da Rádio Gre-Nal, do Rio Grande do Sul, pediu para o repórter de campo identificar aquele jogador do Santos caído no gramado na partida do Brasileirão contra o Grêmio. “Aquele crioulinho que está lá na ponta-esquerda do time do Santos, quem é ele?” Ao receber a resposta de que era Lucas Braga, Haroldo completou: “Ah, o Lucas Braga que está caído lá. É o moreno, né? Moreno, cidadão de cor, numa boa”. O narrador pediu desculpas depois de perceber ou ser comunicado da bobagens que fez. Esse tipo de preconceito precisa acabar de uma vez por todas no mundo. Não digo nem no futebol. Mas digo isso numa boa!

Foto: Santos FC

O Santos se manifestou, Veja.

É preciso amadurecer, entender, compreender e, no caso de um comunicador, informar os novos caminhos. Sempre numa boa! O mundo passa por uma revisão nesse sentido. As novas gerações, não tenho dúvidas, estão mais preparadas para viver nesse mundo novo, mais aberto e sem preconceitos. Numa boa! O caminho está traçado e todos temos de seguir por ele.

Quem ficar fora, terá de responder por seus atos e assumir as consequências. Simples assim. Numa boa! E antes de qualquer condenação oficial, na justiça ou em sua própria empresa, há o repúdio das redes sociais. O futebol trabalha há anos contra o racismo, com faixas e recados expostos nos estádios. Mas ainda se restringe aos casos que acontecem. É preciso fazer mais. O racismo precisa estar nos regulamentos das competições, com penas e punições claras. Numa boa!

Lembro-me do caso do jogador Grafite com o argentino Desábato, num jogo pela Libertadores. Ganhou repercussão barulhenta e foi baixando de volume até cair no esquecimento. Poderia ter tido consequências exemplares.

O racismo está aí e é preciso combatê-lo em todos os níveis, dos mais claros aos enrustidos. Só assim ele vai desaparecer. Só assim vão desaparecer as pessoas que não entenderam o movimento. Numa boa!” Aumento o tom contra aqueles que cometem injúrias raciais ou qualquer outro tipo de preconceito. Delatar, se manifestar, buscar os direitos, divulgar. Numa Boa! Nossas crianças são pela igualdade, falta de gênero, aceitação natural independentemente da cor da pele ou de qualquer outra característica. Nossos jovens estão nos dando exemplo. Temos de aprender com eles. Mas numa boa!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.