Santos vai atrás de Rogério Ceni para comandar o time no lugar de Cuca

Cuca já disse que não ficará na Vila em 2019

Robson Morelli

26 de novembro de 2018 | 15h52

Rogério Ceni ainda não definiu seu futuro. Ele já não tem mais compromisso com o Fortaleza. Em entrevista dada ao repórter Marcius Azevedo, do Estadão, o treinador revelou que aguardava saber o tamanho do investimento que o clube do Nordeste teria para a próxima temporada. Ceni está preocupado com  o que poderá fazer na primeira divisão. Ele sabe que o Fortaleza e os outros três times que subiram da Série B estão no fim da fila do Brasileirão de 2019. Terão de se provar que conseguem se manter na elite. Isso depende de trabalho, elenco e dinheiro.

ALEX SILVA/ESTADÃO

Ocorre que o Santos está interessado no treinador para 2019. A ideia está sendo amadurecida e com possibilidade de dar certo. Cuca já disse que não fica na Vila por problemas de saúde, mas também porque não bateu com as ideias do presidente Peres. Ceni aparece como uma novidade capaz de fazer o Santos se tornar referência novamente. O treinador ganhou experiência no Fortaleza, está mais maduro, aprendeu com os tombos. Há outros interessados no técnico.

O Santos também tem de resolver a vida de alguns jogadores. Dodô, por exemplo, pede aumento salarial para R$ 450 mil mensais. Gabriel não fica. Diego Ribas, do Flamengo, poderia voltar. Há uma oferta pedida para ele ganhar no Santos cerca de R$ 700 mil mensais. O clube precisa de dinheiro para tocar bem a temporada de 2019. A primeira procura e negociação vai ser com o treinador. O clube pode ainda perder seu goleiro, que interessa ao São Paulo, conforme revelado anteriormente.

Tudo o que sabemos sobre:

futebolSantos FCRogério Ceni

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.