São Paulo bate no fundo do poço ao perder para o Botafogo por 1 a 0 e clama por mudanças

Apresentação no Rio parecia um fim de feira, com jogadores se arrastando em campo, sem entrosamento e líderes

Robson Morelli

23 de fevereiro de 2021 | 10h15

O Botafogo ganhou de cinco rivais neste Campeonato Brasileiro até a 37ª rodada, portanto, faltando apenas uma para acabar a disputa. A última delas foi diante do São Paulo, nesta segunda-feira, no Rio, numa das piores apresentações do time paulista na temporada. O cheiro era de fim de feira. O lanterna cumpria tabela porque já não briga por mais nada a não ser por uma melhor preparação visando participação na Série B. Jogou pela honra de sua camisa e pelo brio de seus jogadores. O São Paulo nem isso fez.

Foto: SPFC

Foi uma apresentação vergonhosa para um clube tão grande e lindo. Seus jogadores correm cada um para um lado. Não há entrosamento nem inteligência. Jogadores como Hernanes são atirados aos leões depois de meses sem atuar. Visivelmente lhe faltava fôlego. Nem parecia um time de futebol com tantas glórias. Terra arrasada, sem comando dentro de campo e desesperados com a arbitragem como tem sido o retrato do futebol brasileiro.

Jogadores da base, com potencial, são queimados numa equipe sem estrutura. Veteranos aguardam pelos próximos capítulos para saber quem sai e quem fica, mesmo aqueles que têm contrato. Isso não segura nem prende jogador em clube. A machadada deve ser forte neste elenco. E já era para ser dada, desde a chegada de Hernán Crespo e os primeiros dias de trabalho de Muricy Ramalho. O São Paulo não é um time. É um bando de atletas juntos há algum tempo sem propósito, com muito discurso e nada de ação. Não há um líder. Não há um capitão. Não um xerife. Não há um meia a quem se deve seguir. Não há nada. Essa é a sensação.

Crespo tem pista livre para fazer o que bem entender. Suas manobras são as maiores esperanças do torcedor, que não acredita mais em nenhum jogador. Talvez apenas no goleiro Volpi e no atacante Luciano, que perdeu pênalti quando o jogo estava 1 a 0 para o Botafogo. Tudo dá errado. O clima é, sim, de fim de feira. Se nada for feito já, esse São Paulo não vai se dar bem nem no Paulistão, que começa no fim de semana. Não haverá férias nem pré-temporada. Acaba um ano esportivo e começa outro. Crespo precisa descer das cabines do Morumbi e assumir seu trabalho. Ele está consciente disso. Traça caminhos e avalia o elenco. Não há legado para o argentino.

Se começar hoje e conseguir fazer um bom trabalho, quem sabe o São Paulo não se torne mais competitivo na temporada de 2022. Porque nesta que se abre após o Brasileirão e Copa do Brasil, parece que será de reformulação, de curar feridas e conter o sangramento. Nenhum time sai do fundo do poço para a liderança das competições. Se Crespo conseguir isso, terá uma estátua no Morumbi. Acho impossível as duas coisas. Os jogadores que ficarão, terão de passar por um banho de profissionalismo e engajamento. Se pudesse, a diretoria deveria fazer contratos de três meses, um período de experiência. Quem não der certo, tchau.

Este São Paulo envergonha seu torcedor. Não aquele que faz emboscada, mas o torcedor de verdade. Esse está “abandonando” seu time. E nada pior para um clube do que isso.

VITÓRIAS DO BOTAFOGO NO BRASILEIRÃO
2 a 1 no Atlético-MG
2 a 1 no Palmeiras
2 a 1 no Sport
2 a 1 no Coritiba
1  a 0 no São Paulo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.