São Paulo é o maior freguês do Palmeiras no Allianz Parque

São Paulo é o maior freguês do Palmeiras no Allianz Parque

É a segunda vez que o time alviverde bate no rival do Morumbi em casa. A primeira derrota ocorreu no Paulistão deste ano, por 3 a 0.

Robson Morelli

28 de junho de 2015 | 17h48

PalmeirasSPAlexSilvaEstadao_570

Tudo deu certo para o Palmeiras. Nada deu certo para o São Paulo. A derrota de 4 a 0 faz o time do Morumbi ser o maior freguês do Palmeiras dentro de sua casa. Os são-paulinos queriam dar o troco da derrota de 3 a 0 no Paulistão deste ano. Acabaram sofrendo mais quatro gols, portanto, uma goleada maior e mais pesada.  O jogo foi bom para as duas equipes no primeiro tempo, mas na segunda etapa os donos da casa foram mortais, com jogadas rápidas e toques inteligentes. A marcação tricolor não acompanhou essa agilidade, e foi sofrendo gols. Nas chances criadas pelo São Paulo, a defesa alviverde trabalhou bem, deu sorte em algumas jogadas e contou com Prass quando foi preciso. O São Paulo nem de longe ofereceu tanto perigo assim, mas sempre esbarrou na marcação.

O Palmeiras jogou com mais inteligência em relação às partidas anteriores, provando que o período do time em Atibaia nesta semana serviu para alguma coisa. Treinar é tão importante quando jogar. Os jogadores são os mesmos, mas a disposição em campo melhorou. O Palmeiras, desta vez, correu certo, sem apavoramento e conseguindo sustentar a pressão do rival em momentos importantes, quando, por exemplo, estava 2 a 0 ainda no primeiro tempo. Um gol do São Paulo no finalzinho poderia incendiar a disputa. Daria moral ao visitante.

O que vem agora é a repetição, pelo menos deve ser assim. Se Marcelo Oliveira está convencido de que encontrou o time, deve apostar nele, continuar treinando e jogando com a mesma formação. Isso também dará confiança aos jogadores, como ao lateral Egídio, que melhora a cada rodada e foi participativo em três gols, um deles o de Cristaldo, o quarto do Palmeiras. E assim deve ser com Arouca e Robinho, que são sustentação do meio-campo.

Do lado do São Paulo, que tem um elenco em desmanche, Osorio vai precisar de um divã para entender melhor o futebol brasileiro. O treinador, diga-se, foi expulso da partida. Como Marcelo Oliveira, o colombiano precisa resgatar o futebol de alguns jogadores, como Ganso e Luis Fabiano. Mais o de Ganso. É inadmissível que entra técnico, sai técnico, e o meia não consegue mostrar bom rendimento. Pelo que sabe jogar e já mostrou isso, Ganso é o maior fracasso do futebol brasileiro nesse momento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.