São Paulo precisa esquecer seus problemas por 90 minutos para não ter de mudar tudo no clube

Jogo contra o Talleres no Morumbi pode ser um divisor de águas do time neste começo de temporada ruim

Robson Morelli

12 de fevereiro de 2019 | 17h26

Jardine está nas sombras, ameaçado pelo fracasso do São Paulo e o seu próprio neste início de carreira solo. Não se sabe se ele tem o vestiário nas mãos, deveria ter, mas não se sabe. Ganhando ou perdendo a vaga na Libertadores (é mais provável que perca), ele tem uma única chance de mostrar sua condição de comandar o time e permanecer no posto. Então, tem de fazer o que sua cabeça manda, se expor sobre suas ideias em campo e dar de ombros para o falatório que o cerca no Morumbi. Só assim ele terá paz para continuar ou mesmo entregar o basta. Mesmo se for eliminado da Libertadores, terá a certeza de que fez o seu melhor, que não se dobrou a pedidos ou sugestões. Isso é importante para ele.

Torcida do São Paulo no Morumbi/AE

Essa virada passa pelo comando do vestiário. O São Paulo tem de esquecer seus problemas ao menos por 90 minutos diante do Talleres. Perdeu o jogo de ida na Argentina por 2 a 0 e agora tem de fazer três gols. O futebol permite tudo. Não será fácil. Até duvido que consiga. Mas Jardine e os jogadores têm a obrigação de tentar até a última gota de suor.

Não pode ser um jogo comum. Não pode ser um jogo morno. Não pode ser um jogo sem coração. Mas também tem de ser um jogo de futebol, de técnica, de inteligência, de riscos. Para ganhar a torcida logo de cara, o São Paulo tem de ser ousado talvez como não tenha sido ainda na temporada. Isso não quer dizer ir para uma luta. Libertadores não é briga. Estou cada vez mais convencido de que Libertadores é inteligência acima de tudo. Sangue frio. Entrega.

A vaga mudará o astral no Morumbi e, a partir daí, outro São Paulo retomará a temporada. Se não se classificar, Jardine não fica no clube, mesmo com Raí o bancando como treinador. Será demitido na conivência da diretoria e o São Paulo voltará à estaca zero. Conceitos terão de ser repensados, atletas terão de ser afastados, dirigentes terão de se expor.

Mais conteúdo sobre:

São Paulo FCfutebolLibertadores