São Paulo precisa ir para o divã antes de enfrentar o Corinthians em Itaquera de novo

São Paulo precisa ir para o divã antes de enfrentar o Corinthians em Itaquera de novo

Com a derrota por 1 a 0, tabu agora é de dez derrotas e três empates na casa do rival corintiano, a Neo Química Arena

Robson Morelli

14 de dezembro de 2020 | 09h18

Os comandados de Fernando Diniz nunca pisaram na Neo Química Arena para enfrentar o Corinthians tão favoritos como no domingo. O São Paulo sobrava na liderança, vinha de vitórias e apresentações importantes e boas, com atletas em boa fase, como Luciano e Brenner, além de outros. Mas bastou o apito inicial para o time do Morumbi se perder no gramado de Itaquera. Uma sina desde que o estádio foi inaugurado em 2014. Eram 12 partidas sem vencer na casa do rival, com nove derrotas e três empates. Agora são dez derrotas.

Mais do que o resultado do jogo jogado, o São Paulo precisa ir para o divã antes de voltar a encarar o Corinthians. Essa geração são-paulina sofre com jejuns e tabus. Faz oito anos que não ganha nada. Faz 13 partidas que sai frustrada de Itaquera. A derrota por 1 a 0 não tira o time da ponta do Brasileirão, mas reduz sua vantagem para o segundo colocado, o Atlético-MG, agora de quatro pontos. Ocorre que a equipe de Minas é o próximo adversário do São Paulo no meio de semana. Novo tropeço fará com que a diferença caia para um pontos apenas. O que parecia uma caminhada fácil para uma conquista tão sonhada pode tomar rumo diferente. Antes do jogo, o Corinthians não era um rival à altura.

Fernando Diniz disse com todas as letras que “ninguém jogou nada” contra o Corinthians. E foi isso mesmo. Era para ter sido 4  a 0 para o time da casa. E isso não é conta de torcedor animado. O Corinthians fez um gol e perdeu outros três, um deles em erro de saída de bola do goleiro Volpi.

Além de um São Paulo tremendo em Itaquera, do outro lado estava um Corinthians bem diferente do que o torcedor estava se acostumando a ver. Muitos torcedores resgataram o ditado do “caiu em Itaquera, já era’ para festejar a boa atuação. A vitória muda pouca coisa na corrida corintiana no Brasileirão, mas mantém uma tradição diante do rival São Paulo. Precisa agora repetir a apresentação mais vezes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.