São Paulo sonha com Cavani, mas chegadas de Pato e Ronaldo nos ensinaram a não duvidar

Atacante uruguaio conversa com Lugano e já sabe que não ficará no PSG

Robson Morelli

13 de abril de 2020 | 14h43

Aos 33 anos, o atacante uruguaio Cavani parece ter certeza de que não vai ficar mais no PSG, ao lado de Neymar – na verdade, também não sabemos se o brasileiro permanecerá em Paris. Ocorre que Cavani ainda não tem para onde ir. Jogador da seleção do Uruguai, onde divide o ataque com Luis Suárez, ele passa seu período de quarentena em seu país, numa fazendo com seus cavalos. Cavani pode parar no São Paulo. Na foto, ele é o de cabelo comprido.

Dirigente do clube tricolor, Lugano, também uruguaio, tenta costurar a negociação. Tudo ainda é embrionário. Cavani tem futebol para pelo menos mais uns três anos em alto nível, se ele quiser. Ganha salário na casa dos melhores jogadores do PSG, não igual a Neymar nem a Mbappé, mas está há anos num time de primeira linha que sonha com a Liga dos Campeões. Portanto, não é pouco e é em euro.

Mas claro que não é por dinheiro que ele aceitaria jogar no Brasil. O São Paulo, como todos sabem, mexeu seus pauzinhos no mercado para ter Daniel Alves. E hoje o camisa 10 é o melhor do elenco. Poderia fazer o mesmo para ter Cavani. O técnico Fernando Diniz já foi avisado da possibilidade e deu um sorriso de orelha a orelha. Não aposta todas as suas fichas, mas também não deixa de acreditar. Sonhar faz parte do futebol.

As contratações de Ronaldo e até de Alexandre Pato lá atrás nos ensinaram a não duvidar dos dirigentes brasileiros. Pelo menos de alguns. Tudo é possível no futebol. Cavani ficaria mais perto da sua casa, da sua seleção e do seu país. Já é consagrado e tem muito dinheiro na conta. É um profissional de cabeça boa e pode ter bons resultados no Brasil. Se não gostar, vai embora no primeiro avião. O São Paulo também trouxe o lateral Juanfran da Espanha. As conversas entre Lugano e Cavani estão rolando. Quem sabe?

Tudo o que sabemos sobre:

futebolSão Paulo FCCavaniLugano

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.