Um aviso ao Grêmio: se valer das imagens do árbitro de vídeo é prerrogativa do juiz e seus auxiliares

Um aviso ao Grêmio: se valer das imagens do árbitro de vídeo é prerrogativa do juiz e seus auxiliares

Renato Gaúcho reclamou do não uso do equipamento na Arena Grêmio. Estou com ele nessa

Robson Morelli

23 Novembro 2017 | 08h51

Pessoas ligadas à comissão de arbitragem informam que a decisão de chamar o Árbitro de Vídeo para o jogo é do juiz principal de campo ou do próprio operador das imagens. Isso não aconteceu no lance do possível pênalti de Jael no fim da disputa desta quarta pela Libertadores. O juiz não teve sequer o direito da dúvida. Renato Gaúcho reclamou muito. Em outros esportes, como vôlei e tênis, é o prejudicado que pede o desafio, que pede para ver as imagens. Não sou defensor do árbitro de vídeo porque ainda acho, como se prova, que o juiz é mais importante do que toda essa parafernália eletrônica. É ele que tem de melhorar o seu trabalho. A inteligência ainda tem de ser do homem e não da máquina. Vale lembrar que essa tecnologia deve ser aprimorada, assim como deve melhorar a condição de quem a utiliza. O Grêmio jogou mal, mas ganhou de 1 a 0 do Lanús na primeira partida da final. Leva para a Argentina a vantagem do empate.

 

Mais conteúdo sobre:

GrêmioLibertadoresCopa Libertadores