Somos incapazes de organizar uma partida com duas torcidas no estádio

Somos incapazes de organizar uma partida com duas torcidas no estádio

O Corinthians vai apresentar a conta da destruição de seu estádio à Conmebol e ao Universidad do Chile

Robson Morelli

06 de abril de 2017 | 11h44

Fracassamos em muitas coisas nesses 500 anos. Talvez nosso mais recente fracasso seja no futebol, e isso nada tem a ver com a seleção brasileira, que nesta quinta acordou na liderança do ranking da Fifa, à frente de Argentina e Alemanha – sim, isso não vale nada, mas é sempre bom estar em primeiro do que em posições inferiores, além do mais, o Brasil, de Tite, tem dado muito alegria ao brasileiro.

COR3394 SÃO PAULO 05/04/2017 ESPORTES CORINTHIANS X UNIVERSIDAD DE CHILE Torcida do Unversidad de Chile faz tumulto antes do jogo Corinthians x Universidad de Chile, válido pela Copa Sulamericana 2017, realizado na Arena Itaquera. FOTO: JF DIORIO/ESTADÃO

Chilenos provocam arruaças na Arena Itaquera. JF Diorio/ESTADÃO

Refiro-me, especificamente, ao fato de não conseguir organizar uma partida com duas torcidas, como vimos na disputa de quarta-feira entre Corinthians e Universidad do Chile, com vitória do time nacional por 2 a 0. Sim, fracassamos nisso também. Como se sabe, os clássicos em São Paulo são feitos com torcida única, para evitar brigas nos estádios. Esse é o argumento oficial. Cerca de mil torcedores chilenos provocaram o maior terror e arruaça no estádio do Corinthians. Quebraram cadeiras e apoios dos assentos para, primeiramente, atirar contra os rivais corintianos e depois contra os próprios policiais, que trataram de agir com o rigor e vigor da farda. O cassetete comeu solto. Os torcedores chilenos não pararam. Havia um, de cabelos compridos, blusa amarrada na cintura, fora do peso, que fazia gestos de briga para todo mundo, como se pudesse enfrentar a todos no estádio. Um cidadão fora da realidade, fora do tempo, fora do que queremos para o futebol. Um imbecil.

No intervalo do jogo, a polícia tratou de retirar os torcedores de seus lugares, mandando-os para fora do estádio. Alguns foram presos, entre eles um jornalista que estava lá para fazer uma reportagem, acompanhando a torcida do seu país. O juiz do jogo até esperou um pouco mais para começar o segundo tempo. As imagens eram feias, em nada combinavam com o futebol. Falhamos mais uma vez na organização. Não conseguimos vencer isso, ajeitar duas torcidas no estádio. E olha que havia 22 mil pagantes apenas.

O Corinthians vai apresentar a conta da destruição para a Conmebol, a organizadora da competição sul-americana. E tem de fazer isso mesmo. Se ela não pagar, o clube chileno deve assumir. Pagamento em uma vez só nos próximos 15 dias. Isso é o mínimo. A Conmebol também deveria aplicar alguma punição ao Universidad do Chile. Claro. O jogo de volta, marcado para maio, será de alto risco para os corintianos. Deveria ter portões fechados. Os chilenos provocaram, pelo menos foi isso o que pareceu. Estavam ensandecidos. Aquele gordinho briguento foi depois se esconder em meio às mulheres no local.

Da nossa parte, fica a certeza de que não conseguimos mais organizar um jogo de futebol com duas torcidas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.