Telê faz falta ao futebol brasileiro e mundial

Telê faz falta ao futebol brasileiro e mundial

Neste 21 de abril, quando o São Paulo entra em campo na Libertadores, o torcedor lembra os dez anos da morte do treinador

Robson Morelli

21 de abril de 2016 | 13h26

Tele570

No dia em que o São Paulo entra em campo para garantir sua classificação na Libertadores da América, torcedores tricolores também lembrar dos dez anos sem Mestre Telê. Foi em 21 de abril de 2006, que o treinador, amante do futebol bem jogado, perdeu a vida para ser imortalizado no Morumbi e também no Fluminense, onde foi jogador. Bicampeão Mundial com o São Paulo em 1992 e 93, Telê Santana se tornou o maior da história do clube.

SP1992Divulgacao570

O próprio técnico Edgardo Bauza fez referência a Telê, assim como seu assistente, Pintado. “Os jogadores sabem do legado que o seu Telê deixou. Que essa vitória seja o início de uma grande caminhada que nós conhecemos bastante porque ele nos mostrou. O mais importante é que o São Paulo tem todas as condições de vencer o jogo”, disse ao site do clube. O futebol brasileiro não tem um Telê atualmente, um técnico que pensa mais em jogar bem do que em vencer a qualquer custo, que tem paciência para ensinar e cobrar fundamentos, que sabe reunir os melhores e arrancar deles o máximo sem tirar suas características.

Em seu legado também há a seleção brasileira de 1982, que perdeu a Copa, é verdade, mas que até hoje é reverenciada pelos que entendem do riscado. Telê Santana faz falta ao futebol.

BRasil1982570

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.