Tite não chama Neymar e dá recado ao jogador e acerta em não mexer com clubes do Brasil

Atacante do PSG não está na lista por falta de condição clínica (ele está machucado), mas também porque precisa melhorar

Robson Morelli

25 de outubro de 2019 | 12h04

Independentemente dos nomes da lista, Tite acerta ao não chamar Neymar nem mexer com os times do Brasil nesse momento da temporada, principalmente no Flamengo, prestes a se consagrar no Campeonato Brasileiro e Libertadores. Pode não acontecer, mas há uma euforia enorme para isso e a seleção não teria o direito de enfraquecer o Fla nesse momento. Tite seria condenado pelos torcedores. O Brasil jogará contra Argentina e Coreia do Sul, nos dias 15 e 19 de novembro.

Da mesma forma, ele não desfalcou nenhum dos 20 clubes da Série A. Decisão acertada. Há brigas pela Libertadores de 2020, pela Sul-Americana e para escapar da queda. Portanto, não teria cabimento alterar qualquer um desses times agora. Entendo que o treinador tem o direito de chamar os melhores para formar o Brasil, mas deve haver bom-senso e cuidado, negociação o tempo todo com os clubes. Deve haver relacionamento para que as duas partes se entendam e não se prejudiquem. É sabido que Tite não engole mais jogos tão longe do Brasil ou da Europa e em estádios ruins. Está certo de novo. Demorou para comentar isso, mas comentou.

O fato de não chamar Neymar também me parece um bom recado para o jogador. Tite não admitiu isso, mas o recado pode estar nas entrelinhas. Uma seleção sem Neymar é uma seleção sem Neymar. Há um peso nisso. Há interesses nisso. A CBF sempre vai querer ter Neymar em campo. Mas o jogador não foi bem nas últimas partidas. Precisa se recolocar na equipe, ser melhor do que vem fazendo. A informação vinda de Paris é que Neymar não tem condições clínicas de atuar. Ele está machucado. Aliás, se machucou defendendo a seleção brasileira nos últimos jogos diante dos africanos Senegal e Nigéria. Era para Neymar ter voltado na Liga dos Campeões com o PSG nesta semana, mas não voltou por causa da lesão.

Tite também comentou abertamente sobre o jogo sofrível do Brasil. Disse que não tem gostado do rendimento de campo tampouco dos resultados. O time não vence há quatro jogos. Alguma coisa está errada. Para pior o cenário, o treinador vive de perto a empolgação do torcedor brasileiro com o Flamengo. Isso gera comparações. Como pode um time jogar bem e bonito e ser competitivo e a seleção não? Há mais interesse hoje pelo Flamengo do que pelo Brasil. É mais pressão para Tite e seus comandados. Sem Neymar, Coutinho será o cara da armação no meio de campo. Tomara ele não seja o Coutinho do Barcelona e seja mais o Coutinho do Bayern de Munique.

A LISTA DE TITE

  • Goleiros – Alisson (Liverpool), Ederson (Manchester City) e Daniel Fuzato (Roma).
  • Laterais – Danilo (Manchester City), Emerson (Betis), Alex Sandro (Juventus) e Renan Lodi (Atlético de Madrid).
  • Zagueiros – Eder Militão (Real Madrid), Felipe (Atlético de Madrid), Marquinhos (Paris Saint-Germain) e Thiago Silva (Paris Saint-Germain).
  • Meio-campistas – Arthur (Barcelona), Casemiro (Real Madrid), Fabinho (Liverpool), Lucas Paquetá (Milan), Douglas Luiz (Aston Villa) e Philippe Coutinho (Bayern de Munique).
  • Atacantes – David Neres (Ajax), Roberto Firmino (Liverpool), Gabriel Jesus (Manchester City), Richarlison (Everton), Rodrygo (Real Madrid) e Willian (Chelsea).

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

cbfTiteseleção brasileiraNeymarfutebol

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.