Tite não vai inventar nesta reta final da seleção brasileira para a Copa do Catar: Danilo foi a única novidade

Brasil se prepara para dois amistosos em junho, contra Coreia do Sul, Japão, uma vez que o jogo diante da Argentina foi cancelado; a CBF tenta encontrar outro rival, provavelmente africano, para jogo na Europa no dia 11 de junho

Robson Morelli

11 de maio de 2022 | 10h51

Tite confirmou dois nomes de jogadores que estão amadurecendo na temporada em sua lista de convocados para inicialmente três amistosos da seleção brasileira em junho, todos fora do Brasil, contra Coreia do Sul, Japão e Argentina. Mas o jogo contra os argentinos foi cancelado de última hora. A CBF tenta encontrar outro rival, talvez um africano em duelo na Europa. A novidade foi Danilo, do Palmeiras. Rodrygo, do Real Madrid, foi confirmado. Os dois meninos dão o que falar no ano. Danilo desabrochou no Palmeiras, é um jogador incansável, bem ao estilo do volante Fred, de quem o treinador gosta demais, e tem sido fundamental no setor.

“Essa sequência de jogos do Danilo chama a atenção. Fomos buscar componentes importantes que o credenciam”, resumiu Tite. Não seria demais supor que Tite levou Danilo para não levar Raphael Veiga, até para não prejudicar o time paulista, uma vez que o goleiro Weverton também está na relação para as partidas em junho. Fabinho, que joga na Europa na mesma posição, se machucou. Mesmo assim, foi chamado, mas terá de passar por tratamento.

Foto: CBF
A convocação de Rodrygo ocorre porque ele já figura no grupo, mas também pela partida e gols que o atacante fez pelo Real Madrid contra o Manchester City pela Liga dos Campeões semana passada. O garoto marcou dois gols e ainda deu passe para Benzema sofrer pênalti, que acabou em gol. Se havia alguma dúvida sobre o jogador do Real Madrid no elenco nacional, talvez aquela partida tenha sido fundamental para confirmar Rodrygo no time.

Nas demais posições, Tite não inventou. Não é a dele. O Brasil não vai levar para a Copa do Mundo do Catar jogadores que nunca estiveram com o elenco. O treinador não tem esse perfil. Acredita no seu grupo, olha para os jogadores e não vê a necessidade de ter alguém com outras características e assim, muito provavelmente, vai atrás do hexa, que tenta desde 2006 e não consegue. Todos os seus homens de confiança foram chamados. É a penúltima convocação. Então, quem está nesta tem grandes chances de ir para o Mundial em novembro.

O time do Brasil é esse mesmo. Não é ruim. No papel e nos números das Eliminatórias, a seleção brasileira sobra. O auxiliar técnico César Sampaio disse que o Brasil tem a marca de recuperar a bola nos jogos em cinco segundos, o que para a comissão é um jeito de aferir o poder defensivo do time. Essa marca é o melhor da América do Sul, segundo ele. Não se anda no futebol sem dados. Mas não é somente isso. Tite diz que dá sempre para fortalecer a equipe, mas talvez não com outros atletas e sim com outras características de jogo, como posicionamento e intensidade e ocupação de espaço.

A seleção é forte. Tem jogado melhor nas últimas partidas. O segredo foi ter ajeitado o meio de campo, com os atacantes mais velozes e dribladores. Moleques no bom sentido. O Brasil estava muito quadradão, sem inspiração, todos muito preocupados com o que fazer em campo. Em agradar. Nos últimos jogos, se viu mais liberdade, mais ousadia, mais coragem. O torcedor gosta disso. Todos gostamos disso. O Brasil sempre foi isso.

Tite tem de se preocupar com todos os quesitos de um jogo, como marcação e saídas em bloco, sem se expor, como todos os times cotados para ganhar alguma coisa e tidos como favoritos. O Brasil é, sim, favorito no Catar. Sempre é em Copas. Mas tem a obrigação de preservar algumas das características do Brasil, como o poder ofensivo, a liberdade de criar e atacar pelas pontas… O Brasil tinha perdido isso. Tomara recupere no Catar.

A LISTA
Goleiros: Alisson (Liverpool), Ederson (Manchester City) e Weverton (Palmeiras)
Laterais: Daniel Alves (Barcelona), Alex Sandro (Juventus), Guilherme Arana (Atlético-MG), Alex Telles (Manchester United) e Danilo (Juventus);
Zagueiros: Marquinhos (Paris Saint-Germain), Thiago Silva (Chelsea), Éder Militão (Real Madrid) e Gabriel Magalhães (Arsenal).
Meio-campistas: Casemiro (Real Madrid), Fred (Manchester United), Bruno Guimarães (Newcastle), Lucas Paquetá (Lyon), Danilo (Palmeiras), Fabinho (Liverpool) e Philippe Coutinho (Aston Villa);
Atacantes: Neymar (PSG), Raphinha (Leeds), Gabriel Jesus (Manchester City), Vinicius Junior (Real Madrid), Rodrygo (Real Madrid), Richarlison (Everton), Matheus Cunha (Atlético de Madrid) e Gabriel Martinelli (Arsenal).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.